Agente da PN e civil constuídos arguidos no caso da morte do agente Hamilton Morais

PorExpresso das Ilhas,29 abr 2020 13:41

Decisão do Ministério Público foi conhecida hoje. Duas pessoas foram constituídas arguidas.

"Na sequência do falecimento do agente da Polícia Nacional, ocorrido no dia 29 de Outubro do ano de 2019, durante uma operação policial na localidade Tira Chapéu, o Ministério Público ordenou a abertura da instrução, que decorreu na Comarca da Praia" que resultou, agora, na acusação de duas pessoas. Um civil e um agente da Polícia Nacional.

Dessa forma, diz o Ministério Público, depois de concluída a investigação foi determinado que o agente da Polícia Nacional, de 38 anos de idade, "actualmente sujeito à medida de coação de prisão preventiva, foi imputado, em autoria material, a prática de 1(um) Crime de Homicídio Simples, previsto e punido pelos artigos 13º, nº1, 25º e 122º, todos do Código Penal, em concurso real efectivo com 1 (um) Crime de Disparo, previsto e punido pelo artigo 99º da Lei nº31/VIII/2013, de 22 de Maio".

Já o outro arguido é um homem de 19 anos que, "no momento do acontecimento, estava a ser abordado pela vítima, foi imputado, em autoria material, a prática de 1(um) Crime de Detenção Ilegal de arma de Fogo, previsto e punido pelos artigos 3º e 90º da Lei nº 31/VIII/2013, de 22 de Maio".

De recordar que Hamilton Morais foi assassinado no bairro de Tira Chapéu, Praia, depois de ter sido chamado para responder a uma ocorrência no bairro de tira Chapéu onde foi atingido mortalmente com um tiro que se suspeita, agora, ter sido disparado por um colega de profissão.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,29 abr 2020 13:41

Editado porAndre Amaral  em  19 jan 2021 23:20

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.