COVID-19: Um óbito, 29 casos novos

PorAndre Amaral,14 set 2020 18:34

Cabo Verde registou hoje o 45º óbito, de uma paciente a quem tinha sido diagnosticada COVID-19. Ao todo hoje foram registados 29 casos novos.

Segundo Artur Correia, Director Nacional de Saúde, o óbito foi registado no Hospital Agostinho Neto, na Praia, e "trata-se de uma senhora de 83 anos que tinha outras morbilidades associadas".

Ainda segundo Artur Correia do total de 224 resultados recebidos, registaram-se 29 casos novos positivos e 121 recuperados. "Temos actualmente 552 casos activos dos quais 97 estão em internamento institucional", acrescentou Artur Correia.

Começando por fazer um balanço das últimas quatro semanas epidemiológicas, o Director Nacional de Saúde apontou que "na semana anterior a esta, tivemos um pico de 491 casos e a média das últimas quatro semanas, já contando com esta que terminou agora, é de 378 casos a nível nacional". Na semana epidemiológica que terminou este domingo (ou seja, de 7 a 13 de Setembro) foram registados 181 casos.

Os números das últimas quatro semanas epidemiológicas mostram que surgiram, em Cabo Verde, mais 1512 novos casos de COVID-19 o que significa que o país contabiliza agora um total de 4839 casos positivos acumulados dos quais 552 casos estão ainda activos.

Questionado sobre se o crescimento dos números em Cabo Verde pode levar o país a adoptar medidas mais restritivas para combater o vírus, Artur Correia defendeu que "em termos epidemiológicos, o número de acumulados não tem um significado muito importante". 

"Por isso é que eu falo sempre dos activos, que temos de gerir. Os outros já tiveram alta, já deixaram de estar doentes e deixaram de transmitir. Temos 500 a 600 doentes que temos de gerir e evitar que transmitam a outras pessoas. Os acumulados fazem parte do passado, não fazem parte do presente",r eferiu.

Defendendo que "os acumulados não servem para controlar a epidemia", Artur Correia defendeu que a abordagem devem ser feita pelo número "de pacientes activos, dos que já tiveram alta para podermos ficar mais cientes. O resto é alarmar as pessoas desnecessariamente", concluiu.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,14 set 2020 18:34

Editado porSara Almeida  em  1 dez 2020 23:20

pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.