Testes para viagens entre ilhas são para continuar

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 jul 2021 14:22

As autoridades de saúde reconheceram hoje que a situação epidemiológica do país “melhorou um pouco” nos últimos dias, mas recomendaram cautela e vão continuar a fazer os testes rápidos para viagens interilhas.

“Por enquanto, ainda é necessário fazer testes para as deslocações interilhas (de qualquer ilha para qualquer ilha). A situação epidemiológica melhorou um pouco, mas ainda é preciso cautela”, afirmou o director nacional de Saúde, Jorge Barreto, em resposta à agência Lusa.

Desde 10 de Maio que Cabo Verde realiza testes rápidos de despiste para a covid-19 para viagens marítimas e aéreas, entre todas as ilhas, com excepção do percurso São Vicente - Santo Antão.

Os critérios foram atualizados em 21 de Junho, para serem avaliados a cada 15 dias, conforme a evolução da situação epidemiológica do país, que no verão aumenta a procura por viagens entre ilhas.

Sendo assim, continua a haver necessidade de realização de testes para viagem de barco e avião de São Nicolau, Sal, Boa Vista, Maio, Santiago, Fogo e Brava.

Também quem quer sair de Santo Antão ou São Vicente terá de fazer o teste rápido até 72 horas antes da viagem e ter resultado negativo para ir à Boa Vista, Santiago, Fogo, Sal, São Nicolau, Maio e Brava.

A única excepção é para o percurso entre São Vicente e Santo Antão, que é feito apenas de barco, com duração de uma hora, em que os passageiros não precisam fazer teste rápido.

As crianças com menos de 7 anos estão isentas da realização do teste rápido para viagem entre as ilhas.

Na segunda-feira, o director nacional de Saúde disse em conferência de imprensa que o país continua a ter uma diminuição do número de casos, sem haver diminuição do número de amostras analisadas, bem como uma melhoria da taxa de positividade, embora ainda acima de 4%.

Em todo o país, nos últimos 14 dias ainda há 10 concelhos com uma taxa de incidência acumulada acima de 150 casos por 100 mil habitantes, superior à taxa média a nível nacional, que é de 112 casos por 100 mil habitantes.

“Se nós conjugarmos essa taxa com o RT, que está em 0,88%, nós podemos dizer que Cabo Verde neste momento está numa área de risco verde, ou seja, com risco mínimo, apesar de ainda termos casos a circular”, analisou Jorge Barreto.

Cabo Verde, que ainda está em situação de calamidade, chegou na terça-feira aos 33.053 infectados acumulados desde início da pandemia no país, dos quais 290 resultaram em óbitos, 32.258 recuperaram da infecção e há 485 casos activos.

Até segunda-feira, o país já tinha recebido 385 mil vacinas contra a covid-19 e tinha aplicado 120 mil, representando 31% do total, e 28,8% da população adulta estimada de Cabo Verde já recebeu pelo menos uma dose das vacinas da Pfizer, AstraZeneca ou da Sinopharm, ainda segundo informações avançadas pelo director nacional de Saúde.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 jul 2021 14:22

Editado porAndre Amaral  em  27 abr 2022 23:20

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.