Um em cada quatro adultos já está completamente vacinado. Número deve escalar nos próximos dias

PorSara Almeida,13 set 2021 20:56

Cerca de 25,7% da população cabo-verdiana elegível para a toma da vacina contra a COVID-19 já tomou as duas doses. Essa percentagem deve aumentar exponencialmente nos próximos dias, observa o director Nacional de Saúde, adiantando que 73,7% dos elegíveis já tem pelo menos a primeira toma.

Apesar de continuarem as discrepâncias entre concelhos, o balanço da campanha de vacinação é positivo. Conforme revelou Jorge Barreto, esta segunda-feira, na conferência semanal sobre a covid-19 em Cabo Verde, a taxa de cobertura nacional, relativa à 1.º dose, era até dia 12, de 73,7%. Em números absolutos quer isto dizer que pelo menos 272.140 pessoas já tomaram a primeira inoculação, das duas necessárias.

Há três concelhos em que essa taxa já corresponde a 100% da estimativa da população elegível. São eles: Paul, Tarrafal de São Nicolau, e Ribeira Grande de Santo Antão. Vários outros concelhos estão a aproximar-se rapidamente dessa meta. No entanto, há também concelhos, em Santiago Norte, que estão muito distantes da boa taxa nacional. Neste momento, destaca-se Santa Catarina (47,1%) e Tarrafal (48,9%), que são os únicos que em que nem sequer metade da população está, parcialmente, imunizada.

Em termos de vacinação completa, ou seja, de pessoas que tomaram já as duas doses, dois concelhos já ultrapassaram os 50%. Tarrafal de São Nicolau lidera com 52,5%, seguido do Sal com 51,3%. Ribeira Grande de Santo Antão (49,3%) e Ribeira Brava (44%) deverão em breve ter metade dos seus adultos vacinados.

Entretanto, a nível nacional a taxa de cobertura é de 25, 7%, um resultado que o DNS considera de “satisfatório”, mostrando-se confiante num aumento exponencial. “Essa taxa de cobertura de vacinação completa vai aumentar agora nos próximos dias e esperamos que até ao final do mês de Outubro tenhamos pelo menos 70% de população adulta completamente vacinada”. Esse sim, será a seu ver “a um resultado muito bom, e permitirá ter melhores condições para a retoma gradual das actividades...”

Pfizer para os alunos dos 12 a 17 anos

Com a retoma das actividades lectivas, e num momento em que 46% da população jovem (18-39 anos) estimada e 65,2% dos professores e pessoal de apoio escolar já estão vacinados, as atenções começam a voltar-se já para os menores, dos 12 aos 17 anos.

O governo tem afirmado que esse grupo avançará para a vacinação, após atingida a meta de 70% (vacinação completa) dos adultos.

O stock de vacinas de Cabo Verde tem vindo a ser reforçado, sendo que o último carregamento chegou hoje. São mais 56 mil doses de vacina AstraZeneca, doação do grão ducado do Luxemburgo que já tinha sido anunciado.

“Com estas vacinas já recebemos um total de 615.050 de vacinas que dão para vacinar cerca de 307 mil pessoas. Até hoje já utilizamos 60% dessas vacinas recebidas, o que significa 368.477 doses de vacina” aplicadas, contabilizou o DNS.

Em breve, embora ainda sem data indicativa, chegará também a doação dos Estados Unidos, que vai entregar a Cabo Verde, através da iniciativa COVAX certca de 200 mil doses de vacina Pfizer. Chegada essa vacina, cálculos serão feitos “e um dos grupos que poderá ser beneficiado certamente serão as pessoas com idade entre 12 e 17 anos”, avança Jorge Barreto.

Tendo em conta que as duas doses das vacinas Pfizer são tomadas com apenas um mês de intervalo, é possível que até ao fim do ano este grupo esteja completamente imunizado.

Óbitos e internamentos mostram eficácia das vacinas

Além do balanço da campanha de vacinação, foi feito também o balanço da situação epidemiológica.

Apesar de no último mês os casos terem vindo a aumentar, e a taxa de incidência ser superior a 25 casos por 100 mil habitantes em todo o país, com vários concelhos a passarem os 150, e alguns a irem além dos 1000 (Ribeira Brava, por exemplo, tem uma taxa superior a 2500), destaca-se um dado positivo: as vacinas têm cumprido o seu papel protector.

Em 9 óbitos ocorridos em Setembro, “a maioria não estava vacinada ou tinha apenas 1 dose”, sublinhou o DNS.

Dando dados mais concretos, por semana epidemiológica, de 6 a 12 de Setembro, houve 7 óbitos, 5 dos quais foram de pessoas que não estavam vacinadas. Ou seja, “71% dos óbitos não tinha recebido nenhuma dose de vacina da covid 19 e os outros 2, desta semana, tinham recebido apenas 1 dose. Não tivemos óbitos de pessoas completamente vacinadas”.

Olhando os internamentos, há a nível nacional 25 pacientes internados, o que corresponde a uma taxa de ocupação de 27,5%. Desses pacientes, 13 são pessoas com mais de 60 anos, das quais 10 não estão vacinadas. “Das 12 internadas com menos 60 anos, 8 não estão vacinadas, o que quer dizer que a maioria das pessoas internadas não receberam nenhuma dose de vacina. Temos apenas uma pessoa internada que está completamente vacinada. É uma pessoa idosa, mas que se encontra estável”.

“Isto representa mais um indício de que a vacina realmente protege das complicações e mortes”, destaca, apelando à vacinação, inclusive de grávidas e mulheres em puerpério e a amamentar.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,13 set 2021 20:56

Editado porAndre Amaral  em  25 set 2021 22:19

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.