Mobilidade no espaço da CPLP é objectivo e dever - PR

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2018 20:40

O chefe de Estado, Jorge Carlos Fonseca, que assumiu hoje a presidência da comunidade lusófona, apontou a mobilidade como “um dos desafios maiores” da CPLP, considerando “um dever” tudo fazer para um dia circular livremente no espaço comum.

“A mobilidade plena no nosso espaço constitui um dos desafios maiores da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]. A tarefa sabemo-la difícil. No entanto, o nosso dever é tudo fazer para que um dia possamos livremente deslocar-nos neste espaço que é comum”, sustentou.

Jorge Carlos Fonseca discursava hoje na sessão de abertura da cimeira dos chefes de Estado e de Governo da CPLP depois de ter assumido oficialmente o cargo de presidente em exercício da organização.

O chefe de Estado reconheceu que a questão da mobilidade não é um tema novo e já vem sendo debatido e manifestou a expectativa de que “durante esta cimeira possa obter avanços significativos”.

“Temos a obrigação de fazer o máximo de esforço, exatamente por que sabemos não ser muito fácil a tarefa”, reforçou.

Para Jorge Carlos Fonseca, desta forma estar-se-ia a “construir não só uma importante instância de concertação político-diplomática, de cooperação, de promoção e difusão da língua portuguesa, mas também uma verdadeira comunidade de povos e de Nações”.

“Uma comunidade sentida e querida pelo mais simples e anónimo cidadão dos nossos países e na qual e se reveja”, acrescentou.

O Presidente cabo-verdiano disse assumir “com elevada honra e profundo interesse” a presidência da CPLP, apontando a “máxima relevância” da agenda de trabalhos da cimeira que, sublinhou, se “propõe encontrar caminhos ou possíveis soluções na resolução de problemas comuns”.

No discurso, Jorge Carlos Fonseca, passou em revista os temas da presidência cabo-verdiana: Cultura, Pessoas e Oceanos, assinalando a ligação de todos os países da comunidade através da língua e dos oceanos.

“Volvidos 22 anos da nossa existência, ouso afirmar que esta nossa grande família tem sobejos motivos para se orgulhar do seu percurso e do trabalho feito até aqui. Temos sabido e conseguido trabalhar juntos em diversas frentes, enfrentando os problemas que nos afligem e as dificuldades com que deparamos, mas, também, temos partilhado grandes ‘ativos’ comuns, como a história de séculos, a cultura, os valores da democracia e o respeito pelos direitos humanos, a língua portuguesa, afinal, a língua que nos une, apesar de estarmos espalhados pelos quatro cantos do mundo e da imensidão dos oceanos que nos separam”, mas também unem, disse.

Ao receber a presidência do chefe de Estado brasileiro, Michel Temer, Jorge Carlos Fonseca fez votos para, daqui a dois anos, estar a passar a presidência “com uma dose de satisfação, orgulho e num patamar minimamente avançado”.

Jorge Carlos Fonseca concluiu a intervenção propondo uma homenagem a Nelson Mandela, a propósito do Mandela Day, que quarta-feira assinala os 100 anos do nascimento do líder histórico sul-africano, sugerindo uma referência a esta data na declaração final do encontro.

Cabo Verde assume hoje, por dois anos, a presidência rotativa da CPLP, organização que junta também o Brasil, Portugal, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Moçambique e Guiné Equatorial.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2018 20:40

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  14 nov 2018 3:23

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.