​UCID contesta 99,57% de execução orçamental anunciada pela Câmara de São Vicente

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,13 mai 2019 12:19

Isidora Santos, Jorge Humberto e Lucas Monteiro
Isidora Santos, Jorge Humberto e Lucas Monteiro(Rádio Morabeza)

A direcção regional da UCID em São Vicente considera que a conta gerência da Câmara Municipal local apresenta uma série de contradições e contesta os 99,57% de execução orçamental anunciados pelo executivo. Posição manifestada hoje em conferência de imprensa.

Para a UCID os números apresentados a 10 de Maio durante a sessão da Assembleia Municipal, não espelham de forma fiel a realidade relativamente ao orçamento do ano de 2018. Para justificar a sua posição, a força política aponta que a receita total cobrada atingiu o montante de 680.193.986$00, perfazendo assim 70,85% do valor anteriormente orçamentado que era de 960 mil contos.

Relativamente a execução orçamental de despesas, a UCID indica que o total de despesas correntes efectuadas em 2018 atingiu o montante de 725.056.082, 73% do total da verba orçamentada.

Dados que levam o deputado municipal, Jorge Humberto, a considerar que o orçamento da autarquia mindelense não atingiu o objectivo.

“Os dados analisados e as disparidades constatadas levam a conclusão de que estas contas não traduzem as realizações do orçamento e despesas deste município referente ao ano de 2018. Pelo que solicitamos a Câmara Municipal a esclarecer o que, do nosso ponto de vista, não está bem. Outrossim, somos a concluir que a realização do Plano de Actividades e orçamento da Câmara Municipal de São Vicente do ano de 2018 não atingiu os seus objectivos”, entende.

No que toca a rubrica isdob compo bo casa, um programa municipal de reabilitação de casas, com um montante inicial orçamentado de 10 mil contos, a UCID diz que foi realizada apenas 18,6%. Neste sentido, o deputado entende que a edilidade foi incapaz de cumprir o assumido.

“Trata-se de um valor elevadíssimo que aumenta ainda mais a dívida pública municipal. A conta de gerência de 2019 deixa a nu que a Câmara Municipal de São Vicente não foi capaz de cumprir com o assumido no orçamento de 2018, no que toca aos apoios sociais em termos de reabilitação das casas dos cidadãos mais vulneráveis financeiramente, quando não teve a capacidade de ultrapassar os 20% do uso da verba do programa isdob compo bo casa”, diz.

No capítulo das dívidas municipais, direcção regional da UCID em São Vicente refere que no valor global anual do serviço da dívida ronda os 70.391.496$00, sendo que o valor assumido foi de 38.080.540$00. Com estes dados, os democratas cristãos pedem um esclarecimento da Câmara Municipal de São Vicente. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,13 mai 2019 12:19

Editado porAndre Amaral  em  17 jul 2019 23:22

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.