Agências de avaliação do ensino superior de países da CPLP discutem mobilidade em 2020

PorExpresso das Ilhas, Lusa,24 out 2019 7:41

Palácio Conde Penafiel, sede da CPLP, Lisboa
Palácio Conde Penafiel, sede da CPLP, Lisboa

​O presidente da Agência Reguladora do Ensino Superior revela que várias entidades da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) irão reunir-se no primeiro semestre de 2020 para debater os termos técnicos da mobilidade no ensino superior.

"O objectivo é que, (...) ainda no primeiro semestre [de 2020], seja realizado um outro encontro, agora mais a um nível técnico, em que será discutido aquilo que se pretende consensualizar, partilhar e realizar nos vários Estados-membros" da CPLP, afirma João Dias.

O responsável, que falava quarta-feira, à margem do I Encontro das Agências Reguladoras do Ensino Superior dos Estados-membros da CPLP, que se realizou em Lisboa, faz um balanço "muito positivo" deste primeiro encontro, por permitir conhecer o trabalho das várias entidades lusófonas.

"Deu-nos a conhecer o que é que cada um faz, quais são as suas políticas, quais são as suas visões, o que já fizeram (...) foi um balanço extremamente positivo, e a partir daqui vamos tentar estabelecer comissões técnicas que irão trabalhar de acordo com os objectivos preconizados" anteriormente, avança.

Para o presidente da Agência Reguladora do Ensino Superior (ARES) há todas condições políticas e técnicas para avançar com a mobilidade entre países da CPLP ao nível do ensino superior.

"Neste momento existem todas as condições políticas - já existiam, senão não estaríamos aqui - e técnicas para que possamos avançar dentro do espírito, do objectivo inicial, que é a mobilidade dentro do espaço da CPLP a nível do ensino superior", explica.

O líder da ARES clarifica que há duas etapas no que diz respeito à mobilidade no ensino superior.

"Quando se fala de mobilidade parte-se, primeiro, do reconhecimento de graus e diplomas dentro dos vários Estados que fazem parte da CPLP e, depois, o processo de acreditações, de avaliação de forma a harmonizar para que tudo seja muito mais fácil".

No encontro estiveram presentes representantes de entidades avaliadoras do ensino superior de Angola, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e Timor-Leste, enquanto São Tomé e Príncipe participou através de videoconferência.

Brasil e Guiné-Bissau não estiveram representados no encontro.

João Dias comenta que, neste primeiro encontro, onde foram apresentadas as agências ou as estruturas nacionais reguladoras do ensino superior, não foram abordados todos os pilares de avaliação, uma vez que as várias entidades se encontram em diversas fases de avaliação e têm vários métodos de trabalho.

A CPLP é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Actualmente, são observadores associados 18 países e uma organização internacional (Organização dos Estados Ibero-Americanos).

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,24 out 2019 7:41

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  1 jul 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.