Cabo Verde pede “reconversão” da dívida de 600 M€ a Portugal em investimentos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,28 jul 2020 7:17

Olavo Correia defendeu esta segunda-feira uma “reconversão” da dívida de 600 milhões de euros a Portugal em “investimentos estratégicos” no arquipélago, em “condições” que sejam “do interesse” de ambos os países.

A posição foi assumida pelo ministro das Finanças, depois de receber o novo embaixador português em Cabo Verde, António Albuquerque Moniz, tendo sublinhado que Portugal “é um parceiro estratégico”.

“É o maior credor da dívida externa cabo-verdiana, entre financiamento bilateral e operações com a banca estamos a falar de aproximadamente de 600 milhões de euros”, reconheceu o governante, acrescentando que a abordagem, no futuro, passa pela “reconversão dessa dívida em investimentos estratégicos nos mais diversos domínios”.

“Do digital, à transformação agrícola, das energias renováveis, da educação, da transformação de Cabo Verde enquanto país plataforma, mas também a inclusão social e da promoção da qualificação das instituições. Uma reconversão em condições que poderão ser do interesse de Cabo Verde e de Portugal”, sublinhou Olavo Correia.

Cabo Verde vive já uma crise económica provocada pela pandemia de covid-19, com o sector do turismo, que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB), parado desde março. Para colmatar a falta de receitas fiscais e face ao aumento das despesas com prestações sociais e cuidados de saúde, o Governo anunciou que já negociou moratórias para o pagamento da dívida do país.

A intenção de “reconversão” da dívida a Portugal, que o vice-primeiro-ministro não concretizou, é uma “abordagem” que, afirmou ainda Olavo Correia, o Governo de Cabo Verde que levar “aos demais parceiros bilaterais do país”.

Recordou que a dívida externa de Cabo Verde ronda atualmente os 1,6 mil milhões de euros, com a previsão de chegar aos 150% do PIB em 2021, devido aos efeitos da pandemia de covid-19.

“É essencial que na estratégia 2030 [programa a médio prazo lançado pelo Governo], possamos enquadrar a dívida, particularmente a dívida externa, porque, pelos dados que dispomos, Cabo Verde precisa investir, até 2030, mais 500 milhões de contos [4,2 mil milhões de euros] nos mais diversos setores e isto não será possível com o nível de dívida pública que temos no nosso balanço”, reconheceu ainda Olavo Correia.

Daí que, para o ministro que tutela as Finanças de Cabo Verde, seja necessário um “espaço orçamental” para que o país continue a investir, “não só nas áreas da inclusão social, que têm a ver com investimentos imediatos, como em setores que são também fundamentais, num curto prazo”, apontando como exemplos a saúde, o saneamento, o setor digital, a qualificação os recursos humanos ou o acesso à água.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,28 jul 2020 7:17

Editado porAndre Amaral  em  8 ago 2020 13:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.