"Existe muito maior cumplicidade entre os estados-membros da CPLP" - Jorge Carlos Fonseca

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2021 11:16

Jorge Carlos Fonseca
Jorge Carlos Fonseca

​O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, apontou o reforço da “cumplicidade” entre os Estados-membros como uma das conquistas da presidência cabo-verdiana da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Hoje existe muito maior cumplicidade entre os estados-membros”, Fonseca, no seu discurso na sessão de abertura a XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Luanda.

Na sua intervenção, o chefe de Estado detalhou as principais acções da presidência cabo-verdiana, que teve um mandato prolongado de dois para três anos devido à pandemia da covid-19.

“Não obstante as dificuldades económicas e sociais de alguns dos Estados-membros ao longo destes 25 anos de existência, agravadas pela pandemia”, é, “contudo, inegável a prossecução dos objectivos” que levaram à fundação da organização.

Ao longo dos anos, tem-se assistido a “avanços em todos os domínios, designadamente na concertação política e diplomática, que permitiu uma melhoria significativa da afirmação” dos países lusófonos “na cena internacional”.

A concertação diplomática permitiu “inúmeras candidaturas de consenso”, com “dinâmicas ganhadoras” à liderança de organizações internacionais e regionais, com um resultado “firme” para todos, disse o Presidente.

“Os Estados-membros falaram a uma só voz, ganhando dimensão e influenciando o curso dos acontecimentos” da cena internacional.

Futuro secretário-executivo da CPLP quer operacionalizar o acordo de mobilidade

O futuro secretário-executivo da CPLP, Zacarias da Costa, afirmou que o grande objectivo do seu mandato é ajudar os países-membros a operacionalizar a convenção de mobilidade, que permitirá mais vistos para a circulação dos cidadãos.

Nos seus três anos de mandato, Cabo Verde promoveu uma “busca de soluções comuns”, nas áreas da “justiça, segurança, saúde, formação profissional, ambiente, energias renováveis, recursos hídricos, agricultura, economia marítima, educação, ciência e tecnologia”, declarou.

A cooperação entre organizações da sociedade civil foi também destacada pelo chefe de Estado, permitindo, no seu entender, um “movimento crescente de aproximação e colaboração” com os cidadãos, e alargando o “prestígio granjeado da comunidade”, que tem levado “Estados terceiros a aproximarem-se” da organização, numa referência à mais de uma dezena de pedidos de entrada de países observadores.

A CPLP tem um “forte potencial geoestratégico e geoeconómico”, recordou Jorge Carlos Fonseca, que destacou também o trabalho na promoção do português, que já é reconhecida “como língua de trabalho em várias organizações internacionais e regionais”.

O grande destaque do mandato é o acordo da mobilidade dentro da CPLP, que irá definir um roteiro de acção para cada país, na abertura à passagem dos cidadãos doa comunidade.

Cabo Verde definiu como prioridade em 2019 que a “CPLP seja um espaço de livre circulação de pessoas e de comércio”, recordou Fonseca.

“Consideramos que a livre circulação dos cidadãos da comunidade, a potenciação do valor económico da língua portuguesa e a projeçcão da cultura são elementos-chave para uma maior consolidação da CPLP”, salientou.

O “mercado comum da arte e da cultura da CPLP” foi outro dos temas destacados pelo chefe de Estado, que voltou a insistir na bandeira da língua.

“A celebração dos primeiros 25 anos, acima de tudo, é uma celebração da unidade da língua portuguesa, do respeito pela diversidade cultural e o diálogo entre as culturas”. A “sua força é a sua unidade construída a partir da diversidade”, num “processo enriquecedor dos Estados que a compõem”, acrescentou Jorge Carlos Fonseca.

Discurso integral de Jorge Carlos Fonseca na Cimeira da CPLP em Luanda

Leia o discurso do Presidente da República na Sessão Solene de Abertura da XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Num discurso que dedicou alguns minutos às artes, Jorge Carlos Fonseca elencou vários nomes da literatura lusófona, numa “viagem comum, feita pelos remadores das letras e ao som” dos instrumentos musicais tradicionais de cada um dos países lusófonos.

No final, passou o testemunho a Angola, que irá presidir à organização.

“Cabo Verde tem a enorme honra e a grande satisfação de passar o testemunho ao país irmão que é Angola, augurando-lhe os maiores sucessos”, disse o Presidente cabo-verdiano, terminando a desejar uma “longa e profícua vida à CPLP”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 jul 2021 11:16

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  28 jul 2021 13:19

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.