​Governo e Câmara de São Vicente assinam contrato-programa no valor de 2 mil contos

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,10 mar 2022 12:25

O Governo e a Câmara Municipal de São Vicente assinaram hoje um contrato-programa, para este ano, no valor de dois mil contos. A verba visa apoiar a implementação de projectos voltados para os grupos mais vulneráveis.

O contrato-programa foi rubricado pelo presidente da Câmara Municipal de São Vicente e pelo director-geral do planeamento, orçamento e gestão do Ministério da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, Filomeno Fortes, na presença do ministro Fernando Elísio Freire.

Em declarações à Rádio Morabeza, o vereador da edilidade, Rodrigo Martins explicou que os dois mil contos servem para financiar um projecto social da autarquia que visa dar respostas às solicitações da população a nível da saúde, alimentação, educação e inclusão produtiva.

“Na Câmara Municipal todos os dias nós temos a presença de pessoas com necessidade de fazer diversos exames médicos, mas também questões relacionadas com o acesso a alimentos e questões relacionadas com a inclusão produtiva. Ou seja, este valor vai nos permitir minimizar estes problemas. Por exemplo, todos os dias temos pessoas que precisam fazer um TAC e no quadro deste valor é possível apoiar as pessoas que precisam destes cuidados”, refere.

“Situação social controlada em São Vicente”

Na sua intervenção, o edil mindelense, Augusto Neves, disse que o contrato-programa é mais um passo na cooperação entre o poder local e central no melhoramento da situação das famílias mais carenciadas. O líder municipal entende que a situação social na ilha está controlada.

“Temos feito muito, principalmente nesta altura da pandemia em que as coisas tornaram-se mais difíceis. Juntamos nessa grande campanha e a situação social em São Vicente é uma situação controlada. As famílias têm tido todo o apoio da Câmara Municipal e do Governo”, diz.

O acto foi presidido pelo ministro da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social. Fernando Elísio Freire diz que o alvo do executivo é privilegiar a autonomia das famílias.

“Estamos a apoiar as famílias mais carenciadas, estamos a introduzir a inclusão produtiva para as famílias poderem ter rendimento e libertar-se da pobreza e manterem a sua autonomia”, aponta.

O governante diz que o próximo passo passa pela criação do Estatuto do cuidador, do qual deve constar o Estatuto do cuidador informal direccionado às pessoas que não podem trabalhar porque têm sob a sua responsabilidade familiares dependentes.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,10 mar 2022 12:25

Editado porAndre Amaral  em  30 set 2022 23:29

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.