TICV reforça ligações entre ilhas na época alta

PorExpresso das Ilhas, Lusa,9 mar 2020 9:36

Em entrevista à agência Lusa, o director-geral da TICV, nova designação da Binter Cabo Verde, assume que a empresa já investiu mais de 143 mil contos em Cabo Verde e que até 2023 conta ter 5 aviões a voar no arquipélago. Na época alta, a companhia vai garantir um total de 28 voos diários para sete ilhas do arquipélago, mais 10 do que no Inverno.

Segundo Luís Quinta, director-geral da Transportes Interilhas de Cabo Verde, do investimento de cerca de 143 mil contos feitos até agora em Cabo Verde, a companhia não recebeu “um único incentivo [do Estado] em qualquer forma que fosse”.

O responsável acrescentou que a TICV tem em curso, este ano, “dois grandes projectos” no âmbito das certificações da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA, na sigla inglesa). Desde logo a “mudança do IATA Accouting Code 474 para 383”, bem como a conclusão do IATA Operational Safety Audit (IOSA).

“Quando estes projectos estiverem finalizados, estaremos então em condições de iniciar o estudo de fazer voos internacionais. Aspiramos, nos próximos anos, a poder voar para destinos como a Guiné-Bissau e Senegal”, disse o diretor-geral da TICV.

Naqueles dois países da costa ocidental africana vivem grandes comunidades cabo-verdianas, o mesmo acontecendo em Cabo Verde de senegaleses e guineenses.

De Binter a TICV

Sobre a transformação da Binter CV em TICV, iniciada em Agosto de 2019 e agora concluída, Luís Quinta explicou tratar-se de uma “normal mudança de estratégia comercial” para uma marca com que o cliente cabo-verdiano “se identifique melhor”.

“Os nossos valores que merecidamente nos caracterizam, como pontualidade, regularidade, conectividade e fiabilidade, continuarão presentes dentro da marca, mas achamos que nesta altura da existência da empresa seria melhor uma nova direcção, mais chegada ao público e ao passageiro de Cabo Verde, daí o 'Transportes Interilhas de Cabo Verde'”, sublinhou.

Reforço para a época alta

Na entrevista à Lusa, Luís Quinta anunciou igualmente que a companhia aérea está a realizar nesta época alta um total de 28 voos diários para sete ilhas do arquipélago, com nove rotas operadas por três ATR-72 500, com capacidade para 72 passageiros.

“Sempre tivemos projectado ter uma frota de cinco aviões em Cabo Verde. Infelizmente, por vários factores que nos são alheios, esta aspiração tem vindo a ser adiada. Acreditámos que, se não houver instabilidade no sector doméstico, em meados de 2023 já teremos condições de ter uma frota deste tamanho ou ao redor, de modo a satisfazer o esperado crescimento da procura doméstica e da regional”, explicou Luís Quinta.

O director-geral da TICV acrescentou ainda que, além dos 140 trabalhadores que a companhia, do grupo da espanhola Binter, emprega em Cabo Verde, está ainda a decorrer um processo de contratação para mais oito.

Segundo o diretor-geral da TICV, a companhia realiza cerca de 18 voos por dia na época baixa (inverno), que sobem para 24 a 28 voos diários na época alta (verão), além de “reforços grandes” nas ligações para as “festividades mais importantes”, como o Carnaval nas ilhas de São Vicente e de São Nicolau, o festival da Baía das Gatas, em São Vicente, ou as festas de São Filipe, na ilha do Fogo.

A companhia iniciou as ligações aéreas em Cabo Verde em 2016 e transportou no ano seguinte cerca de 460 mil passageiros, o melhor registo no histórico das ligações aéreas domésticas segundo a empresa Aeroportos e Segurança Aéreos (ASA) - que gere os quatro aeroportos internacionais e os três aeródromos do país.

O transporte caiu para à volta de 440 mil passageiros em 2018 e para 410 mil no ano passado, descidas que Luís Quinta justifica com a atualização de tarifas feita em 2018 pelo regulador do setor, a Agência de Aviação Civil (AAC) de Cabo Verde.

“O mercado doméstico desde 2011 que tinha vindo a descer até ter uma quebra acentuada em 2015. A partir de 2016 começa-se a notar uma subida, tendo sido 2017 o melhor ano em termos de transporte de passageiros”, afirmou Luís Quinta.

Evacuações médicas

A companhia é também, e há vários meses, “o único operador aéreo a fazer evacuações domésticas” de pacientes, tendo sido estabelecido, em Novembro de 2018, um protocolo com o Ministério da Saúde de Cabo Verde para esse efeito.

“Fazemos cerca de 600 evacuações por ano, a grande maioria em voos comerciais regulares e outras mais delicadas ou urgentes em voos charter”, assumiu Luís Quinta.

Contudo, o processo não tem sido pacífico, com a companhia a ser levada a tribunal por duas vezes nos últimos meses, por alegada recusa de auxílio nestas evacuações. Acusações que a companhia refuta, alegando que, nesses casos, o transporte de pacientes não respeitava as normas internacionais do sector e que colocava em causa a segurança dos restantes passageiros e tripulação.

“O processo tem sido um trabalho em conjunto com o Ministério da Saúde e respectivas delegacias [de saúde, em cada ilha], onde basicamente é um processo vivo, sempre sujeito a corrigir as imperfeições e as dificuldades que surgem no dia a dia, para assegurar que a vida humana é transportada em segurança e em respeito, tanto a do paciente como a dos passageiros e da nossa tripulação”, disse ainda Luís Quinta.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,9 mar 2020 9:36

Editado porSara Almeida  em  4 dez 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.