Mais 34 casos de COVID- 19 em Cabo Verde

Abdou Wahab: “A integração regional deve promover o livre comércio entre países”

PorNuno Andrade Ferreira,27 jan 2019 10:06

Abdou Wahab
Abdou Wahab

​Talvez seja um projecto adiado. Aos 41 anos, Abdou Wahab fez uma pausa nos negócios para entrar na política senegalesa e disputar a eleição presidencial de Fevereiro. Acontece que a corrida, que já se adivinhava fácil para o presidente Macky Sall, tornou-se ainda menos disputada, após a decisão do Conselho Constitucional que, a 3 de Janeiro, recusou duas dezenas das 27 candidaturas, incluindo a de Wahab, por alegadas irregularidades.

O empresário promete esgotar todos os recursos, para que possa sujeitar a sufrágio a sua ideia de uma “nova política”, focada nos jovens, nas mulheres e no respeito pelos direitos e liberdades. Abdou Wahab Ben Geloune nasceu em Dakar, em 1977, cresceu entre a capital senegalesa e Saint Louis, na casa da avó, até terminar o bacharelado. Trabalhou como comercial da Colgate, durante três anos, o que lhe rendeu uma promoção para a República da Guiné, onde ainda mora, e onde se tornou empreendedor. Actualmente, é CEO do Grupo WEEGO, que dá emprego a cerca de um milhar de pessoas, na África Ocidental. O Expresso das Ilhas quis conhecer as suas motivações, as ideias para o Senegal e as propostas para o reforço da integração regional.

O que o levou a querer entrar na corrida presidencial?

As razões da minha candidatura à presidência do Senegal podem ser expressas em três linhas essenciais: juventude, esperança, desenvolvimento sustentável e inclusivo. A minha candidatura é motivada por estas três ideias. Desejo que este seja um ponto de partida para os jovens, para que acreditem em si mesmos e nas suas potencialidades e que venham a conquistar as várias esferas decisórias do nosso país, políticas ou não.

Como é que se posicionou perante os adversários, alguns dos quais nomes fortes da política senegalesa?

Respeito-os, assim como elogio o seu compromisso e abnegação pelo país.

Como avalia o mandato do Macky Sall?

Não podemos ignorar que foram feitos esforços, em termos de desenvolvimento de infra-estruturas, entre outras áreas, mas as condições de vida, para a maioria dos senegaleses, permanecem precárias, com acesso limitado a cuidados de saúde, crise escolar, impostos elevados, entre outros.

Esta eleição é considerada fácil para o presidente Macky Sall. Teremos eleições livres e transparentes?

Se o Estado não intervier na regularização da rejeição de assinaturas pelo Tribunal Constitucional, não creio que possamos falar de transparência eleitoral.

Acha que a eleição será um ‘passeio’ para o presidente?

Isso seria uma ofensa ao povo senegalês. Se também permanecermos na actual indefinição, ir a eleições seria ainda mais ofensivo.

O que seria para si um bom resultado?

A escolha do povo senegalês.

Empreendedor de sucesso na Guiné-Conacri, o que espera levar para a política senegalesa?

A minha experiência, o meu espírito de terreno, uma outra política, baseada na acção e na valorização de competências.

Os eleitores jovens são um dos focos da sua campanha. Que mensagem, em particular?

Vocês são capazes, vão em frente.

Li declarações suas nas quais se refere a “mulheres em condições inaceitáveis” no Senegal. Que política de igualdade de género propõe, então?

Para nós, será uma questão de estabelecer políticas com programas sensíveis ao género e levando em consideração a igualdade mulher/homem. Se em 2019 ainda falamos sobre o acesso restrito à propriedade da terra, especialmente para as mulheres rurais, o empoderamento das mulheres, a violência contra as mulheres ou o acesso limitado das mulheres a níveis de decisão, é porque existe um problema que não podemos ignorar. Um dos nossos principais objectivos é preencher essa lacuna rapidamente.

Disse também que ambiciona um país onde liberdades e direitos sejam inalienáveis. Isso significa que eles não são respeitados hoje em dia?

Este é, infelizmente, o caso. Acabámos de falar sobre a igualdade de género. Outro caso óbvio é o dos prisioneiros que não são levados em consideração nos programas de desenvolvimento.

image

O Senegal afirma-se cada vez mais como uma potência regional. É uma referência nos domínios do transporte aéreo, tecnologia, serviços e comércio. O que deve ser feito para acelerar o processo de desenvolvimento?

Desde logo, diálogo inclusivo com os diferentes actores. A capitalização de competências, colocando as pessoas certas no lugar certo. O desenvolvimento e implementação de políticas de desenvolvimento local relevantes, focadas nos resultados, monitoramento e avaliação. Uma melhor gestão dos nossos recursos

Que caminho para a integração regional e para a CEDEAO, em particular?

Na minha humilde opinião, acredito que a integração regional deve promover o livre comércio entre os países, a fim de estimular o crescimento económico por meio da competitividade e da transferência de competências. O investimento nos diferentes pólos de crescimento seria maior se pudéssemos rever as políticas fiscais em vigor.

E como interpreta as resistências de Cabo Verde à integração monetária?

A integração monetária e a moeda única podem ter futuro, mas é um processo complicado e sensível para o qual nos devemos preparar. Não se pode avançar para uma moeda única do dia para a noite. Se Cabo Verde tem algumas reservas, é porque não está pronto. Agora, eu não me dou ao direito de interpretar a política de um país irmão.

O Governo cabo-verdiano diz-se empenhado em melhorar a integração regional. O Senegal está aberto ao fortalecimento das relações bilaterais?

É claro que sim. Acho que provámos isso através dos muitos acordos de cooperação assinados com diferentes países, tanto no nível da sub-região, como internacionalmente.

Em que áreas Cabo Verde e Senegal podem cooperar?

Várias áreas, como o turismo, reabilitação de portos marítimos, desenvolvimento de centros urbanos, agricultura, onde Cabo Verde carece de recursos naturais que no Senegal são abundantes, etc. No entanto, é evidente que outros eixos precisam de ser explorados.

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 895 de 23 de Janeiro de 2019.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Nuno Andrade Ferreira,27 jan 2019 10:06

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 out 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.