Familiares do agente assassinado pedem “mega operação” na Polícia Nacional

PorDulcina Mendes,20 dez 2019 14:42

Os familiares do agente assassinado no dia 29 de Outubro, na cidade da Praia, pedem uma “mega operação” na Policia Nacional. O pedido foi feito durante uma marcha silenciosa que decorreu na manhã de hoje, na capital.

A marcha silenciosa saiu da Esquadra de Achada de Santo António, terminando no Palácio do Governo e passando, no caminho, pela Assembleia Nacional e Direcção Nacional da Policia Nacional. Esta marcha contou com a presença de vários familiares e amigos do agente assassinado. 

Segundo o irmão do agente assassinado, Haylton Morais, esta iniciativa tem como objectivo para lembrar o seu irmão, que se estivesse vivo completaria 41 anos este sábado, e visa também sensibilizar a sociedade para esta onda de criminalidade que esta a verificar-se no país.

“Este ano aconteceram muitos homicídios que ficaram sem resposta por parte das autoridades competentes. Esta marcha serve, principalmente, para não deixarmos o assassinato do meu irmão cair no esquecimento”, frisa.

Conforme Haylton Morais, a marcha esteve por alguns minutos em frente a Assembleia Nacional para chamar a atenção dos deputados nacionais, porque é ali que se aprovam as leis. “A nossa marcha não tem nada a ver com a política, mas como povo temos que pedir para mudaram a lei, porque é muito fraca”.

Haylton Morais aproveitou a ocasião para deixar mensagem as autoridades competentes para cumprirem o prometido, e por outro lado, mostrou-se descontente com as declarações do Director Nacional da Polícia Nacional sobre este caso.

“Emanuel Estaline teve chance de ficar calado, ele calado, era um grande poeta. O assassinato do meu irmão pode ter de tudo menos acidente”, assegura. 

Depois dessa marcha, os familiares do agente assassinado dizem que vão aguardar pela dedução da acusação e prometem agir, mas dizem que acreditam na justiça cabo-verdiana. 

De recordar que o agende Hamilton Morais foi assassinado no dia 29 de Outubro, no bairro de Tira Chapéu, na cidade da Praia. Cerca de um mês depois, e após vários "passos em falso" na investigação e comunicações da PN, a Polícia Judiciária deteve um agente da Polícia Nacional, suspeito do homicídio do colega.  O suspeito encontra-se, actualmente, em prisão preventiva.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Dulcina Mendes,20 dez 2019 14:42

Editado porSara Almeida  em  10 set 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.