São Vicente e a COVID-19 : Pandemia adia consultas, cirurgias e exames

Sistema de saúde em São Vicente obrigado a adaptar-se para lidar com possíveis casos de infecção pelo novo coronavírus

Os serviços de saúde de São Vicente reorganizaram-se como parte da resposta da ilha à pandemia provocada pelo novo coronavírus. Exames e consultas foram remarcados e as rotinas, de profissionais de saúde e pacientes, alteradas.

O delegado de saúde, Elísio Silva, refere a necessidade de adaptar o atendimento público de saúde aos esforços para conter a entrada e proliferação do vírus.

Para evitar a aglomeração de pessoas, prioriza-se o atendimento domiciliar.

“As pessoas com doença crónica e idosos estão a ser acompanhados em casa ou nos centros de saúde mais próximos, conforme o caso”, esclarece o responsável.

A realização de análises clínicas também foi limitada. As recolhas estão a ser adiadas, com excepção de casos considerados urgentes.

A garantia de atendimento em casos urgentes é, aliás, a regra que vigora neste período de contingência. Tudo o que puder ser feito mais tarde é adiado para nova data, posterior à actual crise sanitária.

“Os centros de saúde são para demanda espontânea, pessoas que não estiveram em sítios endémicos”, explica Elísio Silva, recordando que suspeitas de COVID-19 devem ser despistadas, primeiramente, pela linha verde 800 11 12.

As consultas de estomatologia e as sessões de fisioterapia, que exigem contacto próximo entre técnico e paciente, estão igualmente suspensas, com salvaguarda de situações inadiáveis.

Desaconselhada é, por estes dias, a ida ao banco de urgência, desde logo, para evitar sobrecarregar o serviço. O funcionamento do Hospital Baptista de Sousa foi reorganizado, afectando consultas, cirurgias programas e outras valências.

“As consultas de especialidade que não forem urgentes são reprogramadas, porque não queremos aglomeração de pessoas e queremos os profissionais de saúde preparados para qualquer eventualidade”, refere.

“Temos que estar preparados para a eventualidade de acontecer algum caso. Sem os cuidados necessários, a propagação é rápida, daí que temos que estar preparados”, acrescenta o delegado de saúde.

Isolamento

O plano de contingência inclui a existência ou criação de espaços para isolamento de pacientes. Existem cenários de isolamento hospitalar ou extra-hospital, envolvendo os quartos privados e outras áreas já identificadas, mas também o centro de saúde de Bela Vista. Se necessário, será montado um hospital de campanha em local já previsto para o efeito.

Foram acautelados espaços de repouso para médicos e outros profissionais de saúde, evitando que estes, na linha da frente do combate e, por isso, em maior risco, tenham que ir a casa.

“A aldeia SOS, que nos disponibilizou o seu espaço, e o centro de estágios”, exemplifica Elísio Silva.

Quarentena e testes

O isolamento profiláctico foi a estratégia adoptada para rastreio e acompanhamento de todos quantos chegaram de outras paragens, antes do fecho de fronteiras e fim das ligações inter-ilhas.

Até segunda-feira, existiam 48 pessoas em quarentena domiciliária, sem qualquer caso suspeito.

“Quem está em quarentena é seguido quase diariamente pela delegacia, para fazer o acompanhamento, e tem contacto directo com as equipas dos centros de saúde. O centro de saúde conhece cada zona e tem mais facilidade para chegar às pessoas”, esclarece o delegado do Ministério da Saúde.

Desde o início da epidemia foram realizados quatro testes de despiste e todos deram negativo. Num cenário de suspensão de ligações domésticas, em caso de necessidade de envio de uma amostra para o laboratório do Instituto Nacional de Saúde Pública, que funciona na Praia, é accionado transporte para o efeito.

O procedimento responde à falta de um laboratório de virologia em São Vicente.

“Montar um centro de virologia custa muito, somos um país com poucos recursos temos que ir conforme a nossa disponibilidade”, relembra a autoridade sanitária.

800 mil

O número de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus ultrapassou terça-feira a fasquia dos 800 mil, com o total de mortes na casa das 80 mil. Europa e Estados Unidos são as duas regiões com maior actividade viral. Em território norte-americano, os diagnósticos positivos aproximam-se dos 200 mil. O continente africano tem perto de 5 mil casos activos.

“Não devemos estar alarmados mas devemos estar preocupados e agir na prevenção”, aconselha Elísio Silva.

Lavar as mãos, manter o distanciamento social e seguir as orientações das autoridades de saúde continuam a ser os melhores conselhos.  

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 957 de 1 de Abril de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Nuno Andrade Ferreira, Fretson Rocha,4 abr 2020 15:49

Editado porSheilla Ribeiro  em  7 jul 2020 23:20

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.