Coronavírus: O dia em revista

PorDulcina Mendes,1 jul 2020 20:38

Isolamento domiciliar já é possível, mas só na cidade da Praia. A informação foi avançada hoje, pelo Director do Serviço de Prevenção e Controlo de Doenças Prioritárias, Jorge Barreto, na habitual conferência de imprensa sobre a actualização dos dados da COVID- 19 no país.

Segundo Jorge Barreto, na Praia já começaram a permitir o isolamento domiciliar, mas isso só é possível se as pessoas tiveram condições para tal.

Hoje foram diagnosticados mais 40 casos positivos de COVID-19, entre 256 amostras analisadas nos laboratórios de virologia da Praia e de São Vicente. A cidade da Praia teve 30 casos, Santa Catarina de Santiago quatro, Ribeira Grande de Santiago um e Sal cinco.

Conforme Jorge Barreto foram registados hoje 28 casos suspeitos, 40 casos confirmados, 621 casos activos e 629 casos recuperados. Dos 28 casos suspeitos, a ilha do Sal tem oito, Tarrafal de Santiago oito, Ribeira Grande de Santiago um, São Salvador do Mundo um, Santa Catarina de Santiago cinco, São Lourenço dos Órgãos um, São Miguel um, Santa Cruz dois e São Vicente um.

Não foi registada nenhuma alta a um doente. Em relação {as pessoas que estão em quarentena, há 1506: Santa Cruz com 94, Sal 466, Tarrafal de Santiago 66, Ribeira Grande Santo Antão quatro, Praia 10, Maio 34, Brava 53, São Miguel 33, São Vicente 22, Santa Catarina de Santiago 540, São Salvador do Mundo 38, Porto Novo quatro, São Domingos 12, São Nicolau 96, Ribeira Grande de Santiago 30 e São Lourenço dos Órgãos quatro.

Dos 1267 casos acumulados em Cabo Verde de COVID-19, a Praia representa 62%, Boa Vista 4,5%, Sal 17,7% e Santa Cruz com 9,7%.

Os 621 casos activos representam 49%, e neste momento o país tem 14 concelhos com casos infectados de COVID-19. A taxa de letalidade global está em 1,2% e a taxa de recuperados em 49,6%.

Jorge Barreto esclareceu que o óbito que aconteceu ontem na ilha do Sal é de um senhor de 69 anos de idade (e não 70 como anteriormente dito).

Iniciou hoje, na cidade da Praia, o projecto "Refeições Quentes", uma iniciativa da Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde (EHTCV), em parceria com a Cruz Vermelha de Cabo Verde, para minimizar os impactos do novo coronavírus.


COVID no mundo

A Comissão Europeia está a negociar com a empresa produtora a compra e reserva do medicamento remdesivir, que tem sido usado na luta contra a COVID-19, anunciou hoje a instituição, sem avançar pormenores. A presidente da Comissão, Ursula von der Leyen tem dito que “o mundo só será livre desta pandemia quando estiverem disponíveis vacinas, testes e tratamentos acessíveis a todos os que deles necessitem”.(Lusa)

A pandemia de COVID-19 já matou 512.383 pessoas e infectou mais de 10,5 milhões em todo o mundo desde Dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 19:00 TMG de hoje, baseado em dados oficiais dos países.

Os países com mais óbitos nas últimas 24 horas são o Brasil, com 1.280 novas mortes, os Estados Unidos (1.169) e o México (648).

Os Estados Unidos, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de Fevereiro, são o país mais afectado em termos de número de mortes e de casos, com 127.681 mortes e 2.658.324 casos. Pelo menos 720.631 pessoas foram declaradas curadas até hoje pelas autoridades norte-americanas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afectados são o Brasil, com 59.594 mortes e 1.402.041 casos, o Reino Unido, com 43.906 mortes (313.483 casos), a Itália, com 34.788 mortes (240.760 casos) e a França, com 29.861 mortos (202.126 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica continua a ser o que apresenta maior número de óbitos face à sua população, com 84 mortes por cada 100.000 habitantes, seguida pelo Reino Unido (65), Espanha (61), Itália (58) e Suécia (53).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 83.534 casos (três novos entre terça-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes e 78.479 recuperações.

A Europa totalizava às 19:00 TMG de hoje 197.605 mortes e 2.693.243 casos, os Estados Unidos e Canadá 136.344 mortes (2.762.595 casos), a América Latina e Caraíbas 116.534 mortes (2.591.485 casos), a Ásia 35.156 mortes (1.330.970 casos), o Médio Oriente16.470 mortes (769.591 casos), África 10.141 mortes (406.747 casos) e a Oceânia 133 mortes (9.423 casos).

Esta avaliação foi realizada usando dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A AFP alerta que devido a correções pelas autoridades ou a publicação tardia de dados, os valores de aumento de 24 horas podem não corresponder exactamente aos publicados no dia anterior.

Em Portugal, morreram 1.579 pessoas das 42.454 confirmadas como infectadas, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

O continente africano já passou hoje a barreira dos 10 mil mortos devido à COVID-19 e os 400 mil infectados pelo novo coronavírus, segundo os números mais recentes sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), há 10.151 mortos, mais 272 do que na terça-feira, e 404.937 casos, mais 11.632. O número de recuperados no continente é hoje de 192.646, mais 5.839.

A África Austral regista o maior número de casos (157.057) e contabiliza 2.735 mortos, a grande maioria concentrada na África do Sul, o país com mais infectados em todo o continente (151.209) e que regista 2.657 vítimas mortais.

O Norte de África lidera no número de mortes (4.296), tendo passado hoje as 100 mil infecções (101.112).

A África Ocidental conta 1.323 mortos em 76.355 infectados, a África Oriental regista 1.065 vítimas mortais em 36.647 casos, enquanto na África Central há 732 mortos em 33.766 infecções.

O Egipto, o país africano com mais vítimas mortais, contabiliza hoje 2.953 mortos e 68.311 casos de infecção, seguindo-se a África do Sul e depois a Argélia, com 912 vítimas mortais e 13.907 infectados.

Entre os cinco países mais afectados, está também a Nigéria, com 590 mortos e 25.694 infectados, e o Sudão, com 572 mortes, apesar de ter um número de infecções mais reduzido (9.257).

Quanto aos países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infecções e mortes, com 1.654 casos e 24 vítimas mortais, de acordo com os dados mais recentes das autoridades locais e do África CDC.

Cabo Verde tem 1.267 infecções e 15 mortos, enquanto Moçambique conta 889 doentes infectados e seis mortos.

São Tomé e Príncipe contabiliza 713 casos e 13 mortos e Angola tem 284 casos confirmados de COVID-19 e 13 mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tem 2.001 casos e mantém 32 mortos, segundo o África CDC.

O primeiro caso de COVID-19 em África surgiu no Egipto em 14 de Fevereiro e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infecção, em 28 de Fevereiro.(Lusa)

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Dulcina Mendes,1 jul 2020 20:38

Editado porSara Almeida  em  4 ago 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.