Pandemia trouxe novo olhar sobre a Saúde Mental

PorSara Almeida,11 ago 2022 14:21

Os impactos da pandemia de COVID-19 na área da Saúde, devido às medidas de contenção das infecções, ocorreram em maior ou menor escala em todo o mundo. Cabo Verde não foi excepção e houve “alguma perturbação na prestação de cuidados”, sem que no entanto se tenha constatado o colapso dos serviços. O Director Nacional de Saúde apresenta algumas estatísticas dos anos da pandemia, recorda medidas, e fala de mudanças que estão em curso, nomeadamente na abordagem à Saúde Mental.

“Com a COVID-19, tomamos (todos nós) consciência que qualquer um pode ser afectado por um transtorno ou perturbação mental e que nem por isso precisamos estar internados num hospital. É preciso haver soluções que possam permitir atender e cuidar das pessoas num ambiente o mais inclusivo possível”, defende Jorge Barreto. Sendo certo que haverá sempre situações mais graves que requerem internamento, o que se pretende é, “sempre que possível, optar por abordagens ambulatoriais”.

Neste momento, está-se “a organizar e a planificar a melhor forma de se aproximar os cuidados nesta área mais para o nível local, ou seja, desconcentrar as consultas de Psiquiatria, que passaram a ser feitas nos centros de saúde na Praia”. Essa desconcentração, acredita, “pode melhorar a prestação a nível comunitário e fomentar uma maior sensibilização da população para este assunto”.

Entretanto, “o envolvimento da família é crucial”, sublinha o DNS.

Jorge Barreto apela também à adopção de medidas preventivas e de hábitos saudáveis de vida pela população, para contribuir na redução da carga de doença.

Números da pandemia

Durante a pandemia, os serviços relativos à saúde mental foram afectados e é sabido que, em todo o mundo, houve um aumento de distúrbios emocionais. Cabo Verde não terá sido excepção. Houve também impactos a nível de outras áreas da saúde.

“Houve alguma perturbação na prestação de cuidados de saúde provocada pelas medidas que eram necessárias para a contenção, mas não se constatou o colapso dos serviços, como aconteceu em outras paragens”, observa o DNS.

Ao contrário do que aconteceu em alguns países, a taxa de cobertura de crianças completamente vacinadas, que era de 97,9% em 2019 (de acordo com o Relatório Estatístico da saúde desse ano), manteve-se a níveis semelhantes à pré-pandemia: embora tenha baixado em 2020 para 94,3%, em 2021 era de 97,5%.

“A média de consultas de pré-natal continuou igual àquela do ano 2019 (4,4), o número total de dádivas de sangue foi de 3213 em 2020 e 3870 em 2021, os casos de tuberculose e VIH continuaram a ser diagnosticados e tratados (…) a taxa de mortalidade infantil foi de 11,6 por mil nascidos vivos em 2020 e de 10,6 por mil em 2021”, expõe Jorge Barreto.

A nível de intervenções cirúrgicas, foram realizadas 9018, em 2020 e 8608 em 2021, avança o DNS. E, de acordo com o Relatório Estatístico de 2019, nos dois hospitais centrais foram realizadas 8004 cirurgias em 2019, 8333 em 2018 e 8485 em 2017. Ou seja, não parece haver muita diferença entre o número de intervenções realizadas antes e durante a pandemia.

Quanto às mortes por AVC, “houve 294 mortes em 2020 e 276 em 2021”. O já referido relatório do Ministério da Saúde, acima citado, aponta que houve 298 mortes por causas Cerebrovasculares em 2019 e 260 em 2018. Nos óbitos por enfarte do miocárdio, as estatísticas da saúde mostram 160 casos em 2018, 157 em 2019. Nos anos da pandemia, e segundo Jorge Barreto, “foram 170 óbitos em 2020 e 129 em 2021”

Para o DNS estes exemplos mostram que “apesar de todas as dificuldades, o Serviço Nacional de Saúde conseguiu ir dando as respostas, na medida do possível”. Isso deveu-se “ao grande e valioso esforço dos profissionais e trabalhadores de saúde e às medidas que foram adoptadas”, considera.

Evacuações externas duplicam

Várias medidas foram tomadas para que os impactos do “afastamento” dos pacientes dos serviços fossem mitigados. Entre as mesmas, o DNS recorda que foram facultadas prescrições para períodos mais longos e também o recrutamento de mais profissionais de saúde.

“São dois exemplos de medidas que foram adoptadas e que penso que surtiram grande efeito”, avalia.

Entretanto, durante o período todo de pandemia, vários serviços foram disponibilizados. Aqui, destaca o novo aparelho de tomografia computadorizada e a disponibilização da Unidade de Cuidados Intensivos no Hospital Agostinho Neto (Praia), e a Diálise no Hospital Baptista de Sousa (Mindelo).

“Estes serviços vêm melhorar as condições de prestação de cuidados, representando um esforço orçamental considerável, num momento de crise como o que estamos a viver nos últimos 2 anos”, aponta.

Uma crise que afectou também a questão das evacuações externas.

“No início, com o Estado de Emergência foi complicado e custoso, pois não havia viagens regulares, só fretadas. Isto foi um grande fardo que o Estado teve que suportar durante muito tempo”.

As evacuações para Portugal ficaram condicionadas e “atrasaram-se muito”, tendo em conta também a situação provocada pela pandemia nesse país.

Entretanto, garante, “ano 2021 houve uma "recuperação" das evacuações externas, tendo sido feito o dobro das feitas no ano 2020”. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sara Almeida,11 ago 2022 14:21

Editado porAndre Amaral  em  28 set 2022 23:28

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.