Sindep satisfeito com a reclassificação de 166 professores

PorEdisângela Tavares,6 set 2023 10:52

O Sindicato Nacional dos Professores (Sindep) mostrou-se, hoje, satisfeito com a publicação da lista de 166 professores, referente à reclassificação de 2019, mas não descarta a possibilidade de uma manifestação seguida de greve, caso os compromissos assumidos pelo Ministério da Educação não sejam cumpridos.

Em declaração ao Expresso das Ilhas, o presidente do Sindep, Jorge Cardoso, sublinha que essas requalificações deveriam ser publicadas, segundo o cronograma entregue pelo Ministro da Educação, entre Julho e Agosto, e que até então não tinham nenhum sinal do comprimento desta revindicação por parte do Governo.

“Embora nós nos congratulemos de facto com a publicação desta lista de professores, mais vale tarde do que nunca, (…) nós esperamos de facto que as outras requalificações referentes a 2020, 2021 e 2022, que o calendário seja cumprido, ou seja, que até Novembro tenhamos todas as requalificações efectuadas”.

O sindicalista garante que vão continuar na luta e avançou que para a próxima segunda-feira, dia 11, já está agendado um encontro com o ministro da Educação para ser negociado o cumprimento de várias outras reivindicações dos professores.

“Temos um encontro agendado para a próxima segunda-feira, com o Ministro da Educação às 8h30, onde iremos abordar as outras pendências, nomeadamente a transição dos professores licenciados, o Ministro da Educação terá também que nos entregar o cronograma do pagamento dos subsídios pela não redução da carga horária, que vem desde 2018”, avançou.

Jorge Cardoso aponta ainda que conta com abertura por parte do Ministro da Educação para discutir o documento da regulamentação do concurso para professor e a previsão da verba para o desbloqueio da carreira do pessoal docente, que segundo o sindicalista, está bloqueada há mais de dez anos.

“A progressão na carreira aconteceu até 2014, a partir de 2014 até esta data nenhum professor constatou mudanças na sua carreira profissional.Para esta semana de facto já suspendemos essa luta, que seria a manifestação, porque o senhor ministro já prontificou um encontro. Tudo isso, a manifestação e greve, que nós temos agendado para o arranque do ano lectivo vai depender do resultado dessa negociação que iremos ter na próxima segunda-feira”, assegurou.

A prespectiva do Sindep é que nesta negociação o ministro disponibilize o cronograma do pagamento dos subsídios pela não redução da carga horária, bem como abordar o tópico referente ao desbloqueio da carreira do pessoal docente.

“Nós queremos o descongelamento da carreira, para a evolução da carreira, porque nós temos professores que entraram e até esta data ficaram na mesma categoria, mais injusto ainda, para este ano lectivo 2023/2024, o Ministério da Educação contratou 240 professores e esses professores são colocados na mesma categoria que os professores que já estão com mais de 20 anos de serviço, não é admissível, não é aceitável, isso não pode continuar a acontecer com a classe docente”.

Jorge Cardoso sublinhou ainda que o Ministro da Educação e o próprio chefe do Governo asseguraram que todas as pendências ficarão resolvidas em 2023 e assegurou que o Sindep de tudo fará para que as promessas sejam cumpridas.

“Nós vamos travar a luta até a resolução total das pendências, portanto nós teremos o arranque do ano lectivo, que poderá ficar comprometido, não há nada ainda que nós diz que o arranque será de forma normal, nós teremos a avaliação dos alunos em Dezembro, até Dezembro nós temos que ver todas as pendências porque principalmente as requalificações terão que ser todas efectivadas até Novembro, segundo o cronograma”, reiterou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Edisângela Tavares,6 set 2023 10:52

Editado porAndre Amaral  em  25 mai 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.