Divisão 3

PorFrancisco Carapinha,12 set 2021 7:39

Presidente da Federação Cabo-verdiana de Xadrez
Presidente da Federação Cabo-verdiana de Xadrez

Quando há 15 dias atrás aqui escrevia que para apróxima haveria mais, referindo-me à nossa participação na Olimpíada Online, estava longe de imaginar que essa próxima estava tão próxima.

Embora tivéssemos uma boa prestação na divisão 4 da Olimpíada Online 2021, não foi o suficiente para que conseguíssemos os pontos necessários para assegurar a subida à Divisão 3.

Dois escassos pontos foram suficientes para impedirem que os nossos Tubarões do Tabuleiro fossem os melhores quartos classificados da Divisão 4 e com isso assegurarem directamente o acesso à divisão seguinte.

Já estávamos conformados com facto da nossa participação, nesta Olimpíada de 2021, ter terminado com a disputa da Divisão 4, quando a FIDE (Federação Internacional de Xadrez), devido à desistência do Tajikistan, nos veio convidar a ocupar o seu lugar na Série B da 3.ª Divisão.

As “tropas”, já desmobilizadas, tiveram de se mobilizar novamente e, sem qualquer preparação para disputar esta divisão, lá nos colocamos prontos a desfrutar do prazer de jogar numa divisão superior.

Irlanda, Líbano, Iraque, Jordânia, Síria, Quénia, Tunísia, Moçambique e Etiópia, eram os adversários que nos tinham calhado em sorte, para jogar no fim-de-semana de 27 a 29 de Agosto, com 3 jogos por dia e a iniciarem-se às 9:00 horas de Cabo Verde.

image

No primeiro dia, jogámos logo com as equipas que acabaram por ficar nos 3 primeiros lugares da classificação da nossa Série.

Na estreia defrontamos a Irlanda com quem perdemos por 5-1, o mesmo resultado que obtivemos com o Líbano, que foi o nosso adversário seguinte. Para encerrar este primeiro dia da Divisão 3, derrota por 4-2 com o Iraque.

O segundo dia não foi melhor, e somamos mais 3 derrotas:

Moçambique (5-1), Quénia e Tunísia (ambos por 4-2).

Sem qualquer chance a nível colectivo, começamos a objectivar uma possibilidade individual: o nosso 1.º do tabuleiro, Mestre Mariano Ortega, terminar a prova só com vitórias, um pleno que até então ninguém tinha conseguido. O terceiro dia de competições parecia ajustar-se a este objectivo final.

E, embora derrotados com a Síria e com a Etiópia, por 5-1 e com a Jordânia por 4-2, o nosso objectivo estava alcançado e Mestre Mariano, além de ter sido o melhor primeiro tabuleiro, foi o único a terminar a prova 100% vitorioso.

Acerca desta performance do nosso Mestre, que era o jogador mais cotado de toda a divisão, na página oficial do torneio foi publicado o seguinte:

Os melhores resultados deste grupo foram obtidos pela WIM Mouradian Knarik do Líbano (8/9) e especialmente o 1.º tabuleiro de Cabo Verde, IM Mariano Ortega Amarelle, que venceu todos os seus jogos (9/9) e chegou a fazer mais pontos do que o resto de sua equipa juntos!”.

Também a partida entre o nosso 5.º tabuleiro, Bruno Santos, com o seu adversário do Quénia, foi objecto de uma publicação nos canais da FIDE e que aqui reproduzo, desafiando os nossos leitores a resolverem a questão que é colocada.

image

Embora terminando a prova só com derrotas, a nossa participação valeu pela experiência adquirida e esperamos na próxima conseguir melhor performance.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1032 de 8 de Setembro de 2021.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Francisco Carapinha,12 set 2021 7:39

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 set 2021 23:20

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.