​PNUD destaca descentralização como factor de desenvolvimento local

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,18 out 2018 9:38

Luca Roffarello
Luca Roffarello(Fretson Rocha/Rádio Morabeza)

A criação de mecanismos para o desenvolvimento organizado das comunidades é a melhor forma de garantir o crescimento sustentável. Neste sentido, a descentralização é fundamental para diminuir as acentuadas desigualdades económicas no país, e permitir o desenvolvimento harmonioso, defendeu ontem o PNUD.

A posição foi apresentada ao início da noite desta quarta-feira pelo representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Cabo Verde, Luca Roffarello, durante a abertura da II Cimeira Internacional de Líderes Locais, em São Vicente.

“A descentralização permitirá mais dinamização, maior dinâmica socioeconómica local e contribuirá para a diminuição das acentuadas desigualdades económicas que existem actualmente em Cabo Verde, propiciando assim maior igualdade de oportunidade dos cidadãos onde eles vivem. É importante que os programas formulados a nível local estejam em sintonia com os programas centrais no quadro da autonomia dos municípios, e no que diz respeito às particularidades de cada território. Só assim a sinergia para o desenvolvimento harmonioso do país é garantida, fazendo diminuir as assimetrias regionais existentes”, realça.

Por seu lado, o presidente da Câmara Municipal de São Vicente lembra que a ideia principal do desenvolvimento económico local é criar um mecanismo de promoção da economia local, cujos objectivos estão ligados ao combate à pobreza e à melhoria das condições de vida da população.

Por isso, Augusto Neves realça a importância do envolvimento das comunidades nos processos de tomada de decisão.

“O envolvimento das comunidades no processo de tomada de decisão assegura que os investimentos correspondam às prioridades e as necessidades locais. As comunidades devem ser sempre parceiras, contratantes na provisão dos serviços ou na manutenção das novas infra-estruturas. Isto proporciona oportunidades de geração de emprego e ajuda a melhorar as condições de vida das populações. O alvo é a geração de emprego através da implementação de actividades económicas”, defende.

O presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos destaca o papel do poder local que segundo diz, deve ter foco nas pessoas e nos resultados.

“O principal papel do líder local é proporcionar, a nível do seu espaço territorial, os consensos necessários entre os serviços públicos, as organizações da sociedade civil e empresariais, criando o melhor ambiente de negócios mas também o melhor ambiente social. Ele deve aglutinar vontades, empreender e dar soluções que melhorem a qualidade de vida dos seus cidadãos. O foco é decididamente as pessoas e nos resultados”, diz.

A II Cimeira Internacional dos Líderes Locais, que conta com cerca de 150 participantes nacionais e internacionais, começou esta quarta-feira e termina amanhã, em Mindelo.

O encontro realiza-se no quadro da implementação da Agenda 2030 e dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável em Cabo Verde, tendo entre outros objectivos, avaliar o impacto do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local no país, numa perspectiva de construção de novos paradigmas e de definição de políticas públicas de desenvolvimento económico local.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,18 out 2018 9:38

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  10 jul 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.