Ordem de Malta em Cabo Verde : Ajudar sem discriminar

PorJorge Montezinho,19 jan 2020 10:08

A Ordem de Malta tem relações diplomáticas com Cabo Verde desde 1996. Nestes últimos 24 anos houve vários embaixadores acreditados, mas nunca residentes no território, e também embaixadores de Cabo Verde acreditados na Ordem de Malta, em Roma, onde está a sede. Agora, e desde Novembro do ano passado, a Ordem de Malta passou a ter uma embaixada e um embaixador no arquipélago.

“Como não havia uma presença física e residente em Cabo Verde, obviamente que as relações nunca puderam ser como deveriam, se atendermos que Cabo Verde é o primeiro território onde a fé cristã chegou a partir da Europa”, diz ao Expresso das Ilhas José Manuel Pinto Teixeira, antigo embaixador da União Europeia e actual embaixador da Ordem de Malta. “A Ordem de Malta desde sempre quis ter tido uma missão em Cabo Verde, mas a rede diplomática da Ordem de Malta, que cobre mais de 110 países, depende sempre da disponibilidade de quem é nomeado embaixador criar as condições logísticas para poder ter uma presença no país”.

José Manuel Pinto Teixeira já tinha ligações com a Ordem de Malta e já tinha sido abordado para a representar nos dois países com os quais tem uma ligação de longa data e onde exerceu as funções de embaixador: Moçambique e Cabo Verde. Em Moçambique, país que visita várias vezes por ano, está acreditado há mais de um ano e já lá criou também uma embaixada. Em Cabo Verde, país onde optou residir, assumiu essas funções desde 19 de Novembro.

A Ordem Soberana de Malta é uma das instituições mais antigas da civilização ocidental e cristã. Ordem religiosa leiga da Igreja Católica desde 1113 e sujeito de direito internacional, a Ordem Soberana de Malta tem relações diplomáticas com mais de 100 estados e com a União Europeia, e tem estatuto de observador permanente nas Nações Unidas. Assume-se como neutra, imparcial e apolítica.

Actualmente, a Ordem de Malta está activa em 120 países, cuidando de pessoas necessitadas através dos seus trabalhos médicos, sociais e humanitários. Dia-a-dia, o seu amplo espectro de projectos sociais fornece um apoio constante para membros da sociedade esquecidos ou excluídos. Está especialmente envolvida em ajudar pessoas que vivem em zonas de conflitos armados e desastres naturais, fornecendo assistência médica, cuidando de refugiados e distribuindo remédios e equipamentos básicos para a sobrevivência. Em todo o mundo, a Ordem de Malta é dedicada à preservação da dignidade humana e ao cuidado de todos os necessitados, independentemente de sua raça ou religião.

Fundada em Jerusalém, no século XI, a Ordem de Malta tem uma longa história de serviço aos mais vulneráveis e doentes. Esta história de 900 anos é reflectida no seu nome completo: Soberana Ordem Hospitaleira Militar de São João de Jerusalém de Rodes e de Malta. Desde 1834, a sede do governo da Ordem de Malta está em Roma, onde são garantidos direitos extra-territoriais.

A Ordem de Malta opera através de 12 Priorados, 48 Associações Nacionais, 133 missões diplomáticas, 1 agência de ajuda mundial e 33 corpos de voluntários nacionais, bem como numerosos hospitais, centros médicos e fundações especializadas. Não tem nenhum objectivo económico ou político e não depende de nenhum outro estado ou governo.

Assistência humanitária

“A assistência humanitária ocorre essencialmente quando há desastres, sejam de origem humana, sejam naturais. Nesses países, de onde vinham os cavaleiros de Malta, a Ordem dedica-se até hoje a actividades na área da saúde. A Ordem tem hospitais, ambulâncias, pronto-socorro e tem também organizações não-governamentais que têm associações que executam trabalhos fora do seu território”, explica José Manuel Pinto Teixeira. “A rede das embaixadas da Ordem de Malta tem com objectivo a representação política, obviamente, junto dos Estados onde está, mas depois existem as associações que executam as actividades humanitárias na área de socorro a vítimas de desastres e na área da saúde. Temos uma grande ONG, a Malteser International, sediada na Alemanha, e em Moçambique, para dar um exemplo, quando houve o ciclone Idai, esta ONG mobilizou uma equipa para trabalhar na área da água e saneamento”.

Criar uma associação da Ordem de Malta em Cabo Verde é, inclusive, o objectivo prioritário do embaixador. “Hoje em dia, Cabo Verde é um país que não tem as necessidades de outros países, não está no radar das emergências, mas obviamente que há carências, há necessidades e o objectivo é criar em Cabo Verde uma associação da Ordem de Malta”. Em África só existe uma associação destas, no Senegal. “Para o conseguir”, sublinha José Manuel Pinto Teixeira, “tem de haver uma associação da Ordem de Malta, já existente, que apadrinhe a criação em Cabo Verde, para isso estou a fazer contactos com vários países europeus, mas também depende da adesão de pessoas que vivem em Cabo Verde e queiram abraçar essa associação, porque a ordem vive essencialmente de voluntariado. Portanto, tudo é possível se houver pessoas dispostas. Em Cabo Verde temos uma igreja católica forte, há uma cultura e tradição de missionários e essa rede já existente é uma grande vantagem porque o que é preciso é apoiar os que estão no terreno, que têm bem identificadas as necessidades e têm a sua própria rede montada para a qual se pode contribuir”.

“O objectivo é estar preparado para poder contribuir para as acções que existem, sem qualquer discriminação. Aliás, este é o princípio humanitário pelo qual se rege a Ordem de Malta, a qualquer pessoa em necessidade não se olha à sua origem racial, religiosa, étnica. Esses são os princípios, promover o acesso da ajuda humanitária aos necessitados, intervindo em conflitos para viabilizar a abertura de corredores de acesso a essas vítimas. E esse é o trabalho da diplomacia feita pela ordem nos vários teatros onde está presente”, conclui José Manuel Pinto Teixeira.  

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 946 de 15 de Janeiro de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Jorge Montezinho,19 jan 2020 10:08

Editado porAntónio Monteiro  em  25 fev 2020 23:21

pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.