Presidente da República defende adaptação das medidas de contingência a contextos específicos

PorSheilla Ribeiro,19 mar 2020 15:07

O Presidente da República defendeu hoje a necessidade de se adaptar as medidas de contingência decretadas pelo governo a contextos específicos. Jorge Carlos Fonseca disse ainda que a prioridade neste momento é lutar para evitar que o novo coronavírus entre no país e, caso entre, se esteja preparado para fazer um combate com o mínimo de danos possíveis.

Jorge Carlos Fonseca falava à imprensa depois de visitar o Laboratório de Virologia do Instituto Nacional de Saúde Pública, no Hospital Agostinho Neto (HAN), na cidade da Praia. O Chefe de Estado diz ter ficado “muito satisfeito” pelo facto de Cabo Verde ter conseguido “num tempo bastante razoável” criar condições para fazer o teste à covid-19. Um “sinal de prontidão e responsabilidade”, afirmou.

“Dá-nos a todos algum conforto sabermos que as análises podem ser feitas aqui, no nosso laboratório com técnicos cabo-verdianos. Pude verificar que boa parte deles são formados em Cabo Verde. Pareceu-me, para um leigo, que são condições muito boas”, assegurou.

Para o Presidente da República, se todos apoiarem e ajudarem poder-se-á fazer face a esta pandemia, com determinação, inteligência e com coesão a nível do país, por forma a que todos saiam disto de uma forma ganhadora.

Instado a falar acerca da reunião de quarta-feira com o Governo, o Presidente da República referiu que o encontro serviu para ser informado, de uma forma mais detalhada, sobre as medidas tomadas para prevenir e combater a pandemia em Cabo Verde .

“Fui informado e também suscitei as minhas dúvidas, apresentei uma ou outra sugestão, trocamos impressões durante cerca de uma hora e meia. Isso é normal nas relações que o Presidente da República tem com o primeiro-ministro e com o governo”, prosseguiu Jorge Carlos Fonseca, completando que o Presidente da República, como mais alto Magistrado da Nação, tem que acompanhar a situação e articular com o governo de uma forma permanente.

Ainda nas suas declarações, o Chefe de Estado referiu que a “preocupação maior” neste momento é evitar que o coronavírus entre no país e preparar o arquipélago para que, entrando o vírus, se possa enfrentá-lo de uma forma positiva, construtiva e que a população cabo-verdiana ganhe esta batalha, “que é difícil”.

“Um país como Cabo Verde, que é vulnerável e dependente do exterior... temos sempre a preocupação com a economia, com o turismo, com os transportes, com outros sectores ligados a economia e, portanto, é fundamental haver uma informação rigorosa em relação a medidas que tornem o menos danoso possível o impacto deste contexto de epidemia, numa economia frágil, dependente e serviços como é a economia de Cabo Verde”, defendeu Jorge Carlos Fonseca.

Nesta linha, entende o Presidente da República que o governo tem, “de uma forma criativa, imaginativa”, em articulação com os agentes económicos, com os empresários, com os sindicatos e, provavelmente, também num diálogo de concertação ao nível do Conselho de Concertação Social, encontrar as medidas que ajudem, nomeada e especialmente, as pequenas e médias empresas.

Conforme disse, é preciso pensar no problema de eventual redução do número de trabalhadores nas empresas, nomeadamente, nas empresas turísticas nas ilhas do Sal e da Boa Vista.

Defendeu também o Presidente que todos devem acatar “rigorosamente” as medidas que foram decretadas e que o Plano de Contingência tem que ser adaptado permanentemente pelas instituições.

No Sistema Judicial, por exemplo, defendeu a diminuição de número de pessoas nas audiências de julgamento.

“Cada um de nós temos de pensar e adaptar aquelas medidas a contextos específicos. A todos os níveis. Pensemos nas praias. A gente vê aos fins de tarde, particularmente aos fins de semanas, a multidão de gente da Kebra Canela ou na Prainha. Quer dizer, isso não tem sentido. Se tomamos medidas de distanciamento social de não haver regulamentação de pessoas tem de haver medidas para que também as pessoas não se aglomerem”, advogou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,19 mar 2020 15:07

Editado porSheilla Ribeiro  em  29 mar 2020 16:19

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.