FMI aprova primeira revisão do programa de apoio a Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas, Lusa,30 mar 2020 16:01

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje que aprovou a primeira revisão do programa de apoio político a Cabo Verde, salientando que todas as metas foram alcançadas e que o desempenho do país “foi forte”.

“O desempenho de Cabo Verde, ao abrigo do Instrumento de Coordenação de Políticas, foi forte”, lê-se na nota de imprensa que acompanha a divulgação da decisão, que ainda não abrange as alterações decorrentes da pandemia da COVID-19.

“O impacto da pandemia na economia global e nos fluxos de turismo vai ter um efeito adverso na economia de Cabo Verde em 2020, sendo necessária uma resposta política e um apoio coordenado dos parceiros de desenvolvimento”, escreve o FMI.

O programa de apoio político foi aprovado pelo Fundo em 15 de Julho do ano passado, e teve como objectivo apoiar as autoridades cabo-verdianas a reformarem a economia, nomeadamente reestruturando as empresas públicas, colocando a dívida pública numa trajectória de sustentabilidade e melhorando a moldura da política monetária e continuando a acumular reservas.

“O desempenho ao abrigo do programa tem sido forte; todas as metas foram cumpridas, com algumas medidas colocadas em prática antes do calendário; e no final de Setembro do ano passado as metas quantitativas foram todas cumpridas, com excepção do limite de receitas fiscais, falhando por uma escassa margem devido a impostos mais baixos que o previsto no comércio internacional”, lê-se no comunicado que acompanha o anúncio da decisão sobre a primeira fase do programa.

O desempenho económico, acrescenta o FMI, foi também “impressionante”, com um crescimento económico robusto de 6% até Setembro de 2019, e com uma estimativa de 5,5% para o resto do ano, havendo vários resultados positivos nas finanças públicas que, “em conjunto com o crescimento robusto, fizeram o rácio da dívida pública face ao PIB descer de 125,9% em 2017 para uns estimados 123% no final de 2019”.

Para este ano, “as perspectivas económicas são ensombradas pelo esperado impacto da COVID-19”, que vão afectar o turismo, o investimento directo estrangeiro e as remessas, mas o FMI conclui que, ainda assim, “as perspectivas a médio prazo continuam positivas, embora os riscos pendam para o negativo”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,30 mar 2020 16:01

Editado porSara Almeida  em  3 jan 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.