Covid-19: Pais “apreensivos” com regresso às aulas ponderam deixar filhos fora do sistema de ensino

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,17 set 2020 15:58

Alguns pais e encarregados de educação estão preocupados com os eventuais riscos que os filhos estão sujeitos neste regresso às aulas, neste cenário da pandemia da covid-19, e pensam deixar as suas crianças sem frequentar o ensino presencial.

A duas semanas do arranque do novo ano lectivo, mas num cenário diferente devido aos moldes excepcionais adoptados pelo Ministério da Educação, com aulas presenciais e à distância, por causa da pandemia do novo coronavírus, a Inforpress ouviu alguns pais e encarregados de educação sobre este regresso às aulas.

Muitos dos pais das quais a Inforpress abordou, estão com receio de enviar os seus filhos para as aulas presenciais que iniciam a 01 de Outubro, e alguns já pensam até em deixar o filho fora do sistema de ensino, este ano.

É o caso de Maria Helena, mãe de trigémeos, dos quais um com problemas de asma, que frequentam o sexto ano do ensino básico integrado na Cidade da Praia.

Para esta mãe, que trabalha na área de serviços gerais, até que a situação não esteja estável, as escolas deveriam permanecer fechadas. Isto porque, explicou, as crianças não vão respeitar as medidas de restrições, inclusive fora das salas.

“Não é que não queira que a escola seja retomada, mas neste momento a solução é para não abrirem, enquanto a pandemia continue a avançar. A situação não está a melhorar, há casos e mais casos, imagine quando as escolas reabrirem”, disse essa mãe que questiona como é que as crianças vão ter aulas on-line, sendo que muitos pais não têm computador em casa.

Outra inquietação desta mãe é o perigo a que os filhos estão sujeitos na rua, ou seja, no percurso casa/escola e vice-versa.

Outra mãe ouvida pela Inforpress foi Adilma Silva, cujo filho frequenta o pré-escolar, mas esta acredita que a sua preocupação é a de todos os pais com filhos no ensino básico ao secundário.

Esta jovem que trabalha no Ministério da Educação, diz não ser contra a reabertura das escolas, visto que a educação é uma “arma importante”, mas a sua preocupação prende-se com quem irá orientar as crianças durante as aulas on-line.

“Neste momento, a minha preocupação é como vamos reconciliar o trabalho com esse novo sistema de ensino que vai ser adoptado durante este tempo de pandemia, em que as crianças vão ter de ficar em casa para ter aulas on-line ou na TV”, disse essa funcionária da administração pública.

Este cenário, segundo acredita, é um desafio para as crianças e para os pais, por isso o Governo, a seu ver, deve adaptar os trabalhos para que os pais possam ter tempo de acompanhar os seus filhos.

Poucos dias faltam para o retorno às aulas e a “ficha ainda não caiu” para a mãe Suzete Almeida que revelou à Inforpress estar “muito apreensiva” por causa dos eventuais riscos a que as crianças vão estar sujeitas.

“Não estou muito à vontade em mandar os meus filhos para a escola. É claro que entendo que devemos adaptar-nos ao novo normal, e claro está que a educação não pode parar. As nossas crianças sentem falta da escola dos colegas e dos professores”, acentuou, ajuntado que este convívio “é essencial” para o desenvolvimento psicológico e social das crianças.

Contudo, compromete-se a fazer a sua parte para ajudar os filhos a adaptarem-se a este “novo normal”, tendo em conta que há mais de seis meses estão confinados em casa.

Os pais Nélida e Maurício Monteiro dizem compreender que as autoridades decidam por este regresso, mas, por outro lado, paira alguma “incerteza” que os deixa um pouco inseguros em deixar os filhos num ambiente educativo.

“Tenho uma filha de cinco anos no pré-escolar e outro de 13 anos no liceu, mas o meu maior receio é com a mais pequena, porque apesar de ela ter alguma noção da covid-19, quando as crianças estão juntas não sabemos como vão comportar-se”, sublinhou.

Enquanto os pais estão preocupados e com alguma incerteza neste regresso, os filhos estão ansiosos para retornar às salas de aulas, uma vez que estão seis meses longe dos seus colegas, professores e amigos.

“É uma boa iniciativa este regresso, mesmo sendo perigoso, dos alunos às aulas, e a voltarmos a ter uma vida social. Espero que as escolas estejam atentas e em alta vigilância com os alunos para certificar que há distanciamento social e uso de máscaras”, disse o adolescente Joel Landim, que demonstrou alguma preocupação com os colegas que não tem condições de adquirir máscaras.

Já para o jovem Fabrício Monteiro, este regresso, apesar de com algumas restrições, será um momento “muito feliz e especial” tendo em conta que será o reencontro entre amigos.

Neste novo ano lectivo, segundo as indicações do Ministério da Educação, no ensino básico (1º ao 4º ano) o ensino é presencial e diário, as turmas passam a ter o máximo 22 alunos, sendo um por carteira e com distanciamento de 1,5 metros.

As horas de ensino presencial passam para duas horas diárias e complementado pela “tele aulas” através do Programa “Aprender e Estudar em casa”, o tempo de duração de cada aula passa a ser de 25 minutos, para cada disciplina, os intervalos serão de cinco minutos e os alunos não transitam de sala.

Já no segundo ciclo do Ensino básico (5º ao 8º ano) e Ensino secundário (9º ao 12º ano de escolaridade) o ensino presencial será alterando com o não presencial e as aulas presenciais serão alternadas para cada grupo da turma, isto é, três dias um grupo e três dias o outro grupo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,17 set 2020 15:58

Editado porSara Almeida  em  24 out 2020 16:19

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.