SISCAP refuta posição da UNTC-CS e diz representar a maioria dos vigilantes sindicalizados

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,24 set 2020 11:57

 Presidente de SISCAP,  Eliseu Gomes Tavares
Presidente de SISCAP, Eliseu Gomes TavaresRádio Morabeza

Dizer que nenhum outro Sindicato tem legitimidade para representar os vigilantes demonstra um desconhecimento total do sector e dos sindicatos que fazem parte da própria UNTC-CS. A afirmação é do presidente do Presidente de SISCAP, reagindo as declarações da Secretária-Geral da UNTC-CS Joaquina Almeida, que acusa o Vice-primeiro Ministro de se reunir com três sindicatos, dois dos quais não representativos da classe dos vigilantes.

Eliseu Gomes Tavares garante que o SISCAP representa a maioria dos vigilantes sindicalizados

“Para conhecimento da Secretária Geral e dos menos atentos, lembramos que o SISCAP é o autor da proposta do Acordo Colectivo do Trabalho (ACT), assinado em 2004, e é também o co-autor da revisão feita em 2017 ACT, como instrumento de luta Sindical e de pacificação do sector. Lideramos também várias Acções Sindicais como denúncias públicas, manifestações e greves, tendo sempre a parceria dos sindicatos SIACSA e do SIAP”, explica.

O líder sindical avança ainda que o SINTSEL não pode representar os vigilantes em sede do acordo colectivo de trabalho, justificando que o SINTSEL não existia quando foi assinado o acordo colectivo de trabalho.

Eliseu Gomes Tavares afirma que desde o início do ano que o SISCAP tem tido vários encontros com o Vice-primeiro Ministro, salientando que tem havido abertura para se chegar a um entendimento.

“Nesta fase já temos como certo o preço indicativo de referência para o posto de 24 horas, que é o impedimento primordial para não se pagar os preços constantes da tabela salarial, também já temos o acordo para saída da portaria de extensão, que é o instrumento que veio fazer com que todas as outras empresas que não rubricaram o acordo possam também fazer parte do acordo e criar assim uma ambiente favorável pra a melhoria das condições de trabalho e de salário dos vigilantes", avança.

Eliseu Gomes Tavares termina dizendo que a UNTC-CS não pode impugnar qualquer acordo, conforme ameaçou a líder da Central Sindical, Joaquina Almeida, porque não faz parte do acordo. Ademais, o SISCAP pode assinar acordo, e a UNTC-CS não, explana.

Os vigilantes das empresas de segurança privada em Cabo Verde realizaram um greve de três dias, de 21 a 23 de Setembro. Em causa está a não implementação da grelha salarial resultante de um acordo assinado em 2017 e que estava prevista entrar em vigor em 2018

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,24 set 2020 11:57

Editado porSara Almeida  em  24 jan 2021 23:20

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.