PR defende que o Estado tem que apostar muito nas instituições de protecção das crianças

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,4 jun 2021 14:48

Jorge Carlos Fonseca visita ao Centro de Emergência Infantil da Praia
Jorge Carlos Fonseca visita ao Centro de Emergência Infantil da Praia Rádio Morabeza

O Estado, na sua vertente social, tem que apostar muito nas instituições de protecção das crianças e defendeu a necessidade de acelerar o processo de vacinação contra a COVID-19

Jorge Carlos Fonseca diz que o Estado tem que investir em equipamentos e também em recursos humanos. "Penso também que deve haver uma preocupação, de uma articulação cada vez melhor entre as diferentes instituições, que lidam com esse fenómeno, o ICCA, o ministério público, outras instituições sociais, as instituições do Estado, porque cada criança adolescente se conseguir reinserir, ou recuperar já é uma grande vitória, um ganho importante para a sociedade, para a comunidade e bem para o país ", explica.

No que diz respeito às crianças desaparecidas em Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca defende a existência de mecanismos de informação e comunicação entre os familiares e as instituições que fazem a investigação. ''Pelo menos para dar uma satisfação, um alento uma esperança, e estarem informados digamos daquilo que se vai fazendo de maneira que tenham condições para aceitar dentro daquilo que é possível, aceitar um dano, ou uma dor, imagino que é muito forte, é muito intensa, dever antes-queridos desaparecidos sem saber, se estão vivos, se não estão vivos, onde param, portanto, deve haver uma intensificação dos esforços de investigação desses casos”, avança. 

Há cerca de quatros anos, os primos Clarisse Mendes (Nina) e Sandro Mendes (Filú) saíram de casa da avó para comprar açúcar, em Água Funda, na Cidade da Praia, e nunca mais regressaram.

Na altura, Filú tinha nove anos e Nina estava prestes a completar doze anos. Até hoje não se sabe do seu paradeiro.

Presidente da República quer maior ritmo de vacinação contra COVID-19

Questionado sobre o processo de vacinação contra a COVID-19 o chefe do Estado defendeu que com ofertas de vacinas por parte de Portugal, da Hungria e da China, estão criadas as condições para aumentar o ritmo da vacinação no país. 

"Neste momento com a oferta de vinte e tal mil doses de Portugal, com mais 31 mil doses, a previsão de mais cem mil de oferta da Hungria, creio que por estes dias, com a possibilidade real de outros milhares de doses da vacina vindos da China, eu creio que desse ponto de vista criam-se as condições para se atacarem esse processo de vacinação, e também, que o processo de organização da vacinação seja cada vez aprimorado", avança.

Sobre se estão criadas as condições para Cabo Verde atingir a meta de vacinação de 70% da População, Jorge Carlos Fonseca responde que o Estado tem que "trabalhar para atingir essa meta, é uma meta que o governo estabeleceu, e portanto, tudo deve ser feito para que as metas sejam cumpridas". "Eu não sendo um técnico na matéria, um especialista, fico relativamente satisfeito por ter notado que ontem, depois de algum tempo, termos a nível nacional uma taxa de positividade inferior a 10%", frisa.

Jorge Carlos Fonseca diz que é preciso um esforço para uma organização mais perfeita e mais previsível, de maneira que os critérios estabelecidos sejam mais acatados no processo concreto de vacinação.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,4 jun 2021 14:48

Editado porAndre Amaral  em  4 ago 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.