Presidente da República pede intensificação do ritmo de vacinação

PorExpresso das Ilhas, Lusa,6 jun 2021 13:10

O Presidente da República , Jorge Carlos Fonseca, considera que o país deve acelerar o ritmo de vacinação contra a covid-19 com as doses que vai receber de vários países e que o processo seja aprimorado para evitar reclamações.

O chefe de Estado falava à imprensa, na cidade da Praia, no final de uma visita a um centro de emergência infantil.

"Neste momento em que vamos dispor de muitas mais doses de vacinas, que o processo de vacinação prossiga, a mim me parece que deve haver uma aceleração, uma intensificação do ritmo da vacinação", observou. 

Comparando com outros países, disse que é necessário intensificar o ritmo da vacinação para o país atingir a meta de imunizar 70% da população elegível ainda este ano. 

"É uma meta que o Governo estabeleceu e tudo deve ser feito para que as metas sejam cumpridas", afirmou.

Jorge Carlos Fonseca reconheceu que o processo da vacinação não ganhou até agora outro ritmo devido ao facto de não haver previsão de vacinas suficientes para o efeito.

"Mas neste momento, com a oferta de 20 e tal mil doses de Portugal, com mais 31 mil doses, a previsão de mais de 100 mil oferta da Hungria, com a possibilidade real de outras milhares de doses vindas da China, eu creio que desse ponto de vista criam-se as condições para se atacar esse processo de vacinação", prosseguiu.

Por outro lado, o chefe de Estado  pediu que o processo de vacinação seja aprimorado, evitando as queixas e reclamações de vários utentes.

"Eu percebo que é um trabalho difícil, mas deve haver um esforço de uma organização cada vez mais perfeita, mais previsível, de maneira que os critérios e as prioridades que estão estabelecidos sejam acatados no processo concreto de vacinação", sustentou.

Sobre a possibilidade avançada por algumas organizações de vacinar as pessoas das ilhas turísticas do Sal e da Boa Vista, o Presidente salientou que tem um "valor relativo", mas disse que já levantou esta questão com o Governo, referindo que as  ilhas pequenas como Maio ou Brava também poderiam ser imunizadas.

"Mas isso são ideias de um leigo, já apresentei essas ideias aos responsáveis, aos que percebem do assunto, cabe-lhes a eles avaliarem a bondade ou não desse tipo de procedimentos", referiu.

Cabo Verde recebeu sexta-feira mais 31.200 doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, ao abrigo do mecanismo Covax, promovido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Essas doses foram ofertas do Governo francês e segundo o executivo  vão permitir dar continuidade ao plano de vacinação, face à meta de imunizar 70% da população até ao final do ano.

Cabo Verde estabeleceu, além dos profissionais de saúde, polícias, militares, bombeiros, doentes crónicos e idosos, também os professores e trabalhadores do sector do turismo e das fronteiras como grupos prioritários para a vacinação contra a covid-19.

O país espera receber pelo menos 181.200 doses de vacinas durante o mês de Junho, incluindo 100 mil também da AstraZeneca doadas pelo Governo da Hungria, que chegam na terça-feira, às quais acresce a doação, em 14 de Maio, de 24.000 doses da vacina da AstraZeneca por Portugal

A essas somam-se ainda a doação de 50 mil doses da vacina Sinovac pela China, anunciada em 28 de Maio pelo  primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

Cabo Verde já tinha recebido 24.000 doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca em 12 de Março e 5.850 da Pfizer dois dias depois, no âmbito do mecanismo Covax, iniciativa fundada pela OMS e que visa garantir uma vacinação equitativa contra o novo coronavírus.

O país  regista um acumulado de 31.003 casos de covid-19, desde 19 de Março de 2020, dos quais 267 resultaram  óbitos,  1.286 casos  permanecem activos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.714.923 mortos, em todo o mundo, resultantes de mais de 172,8 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,6 jun 2021 13:10

Editado pormaria Fortes  em  15 jun 2021 21:19

pub.
pub.
pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.