Binter suspende vendas a partir de 28 de Outubro

​PAICV considera "grande recuo" Cabo Verde na lista dos que precisam de ajuda alimentar

PorExpresso das Ilhas, Lusa,12 jun 2018 15:59

A líder do PAICV considerou hoje "um grande recuo" a inclusão de Cabo Verde na lista de países a necessitar de assistência alimentar e quer saber o destino dos fundos mobilizados para resposta à seca e ao mau ano agrícola.

"A inclusão de Cabo Verde nesta lista é um grande recuo. Constatamos que, apesar dos alertas e dos avisos do PAICV, da oposição em geral e da própria população, o Governo insiste em não ouvir e em continuar a propalar que o plano está a ter efeitos positivos na vida das populações", disse.

A presidente do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV), Janira Hopffer Almada, falava, em conferência de imprensa, na cidade da Praia.

A dirigente sustentou que o programa de mitigação dos efeitos da seca e do mau ano agrícola, para o qual o Governo mobilizou junto dos parceiros internacionais 10 milhões de euros, não está a ter impacto no terreno e nas comunidades.

"É preciso saber que destino foi dado a esse dinheiro, que beneficiários em cada ilha, que concelhos e que apoio para as famílias. Temos constatado que os criadores não estão a poder salvar o gado, os agricultores já perderam grande parte das suas culturas e as famílias vão ficando cada vez com piores condições de vida", disse.

Por isso, adiantou Janira Hopffer Almada, o PAICV pediu o agendamento para a sessão parlamentar de Julho de uma interpelação ao Governo sobre esta matéria.

Para a presidente do PAICV, importa perceber porque é que o país foi incluído na lista de países a necessitarem de assistência alimentar, à qual não pertencia desde a década de 80, depois de mobilizado "todo aquele montante" e se o "plano tem efeitos positivos".

A organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) incluiu Cabo Verde na lista de países a necessitar de assistência alimentar externa, mas as autoridades cabo-verdianas asseguram que a situação não é de emergência alimentar.

De acordo com o mais recente relatório da organização sobre colheitas e situação alimentar no mundo, o agravamento de conflitos e as condições climáticas adversas aumentaram para 39 o número de países a necessitar de ajuda alimentar externa.

"A lista inclui agora 39 países, mais dois do que em Março, com a entrada de Cabo Verde e Senegal", adianta a FAO.

Cabo Verde é colocado entre os países com "quebra excepcional de produção de alimentos", apontando o relatório o fraco ano agrícola de 2017 e a "significativa perda" de cabeças de gado.

A FAO estimou em 192 mil (35% da população), o número de pessoas a necessitar de assistência alimentar entre Março e maio, sobretudo devido aos défices de produção agrícola e pecuária.

A FAO previu igualmente que, entre Junho e agosto, época das chuvas, esse número possa descer para as 80 mil pessoas.

O escritório regional da FAO em Cabo Verde esclareceu hoje que os números do relatório foram estimados na base da seca e do mau ano agrícola de 2017 feita no quadro do Comité Inter-Estados de Luta Contra a Seca no Sahel e com a participação de Cabo Verde.

Adiantou que actualmente "estão desactualizadas" as projecções de que 192 mil pessoas poderiam estar em situação de vulnerabilidade no período de transição entre duas campanhas agrícolas (Março a Maio).

Sem avançar novas estimativas, a FAO adianta que aquele foi o número estimado "se nada fosse feito".

"O Governo reagiu bem cedo para antecipar esta situação e elaborou um Programa de Emergência", com o apoio dos parceiros de desenvolvimento, adianta a FAO.

"Graças a estes recursos, acções de salvamento de gado, mobilização de água e criação de emprego estão a ser implementadas no país para garantir a segurança alimentar das populações vulneráveis e melhorar as suas condições de vida", prossegue o comunicado.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,12 jun 2018 15:59

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  25 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.