Janira Hopffer Almada: “Não me recandidato porque entendo que nenhum cargo político tem dono”

PorAndré Amaral,13 out 2018 9:01

Janira Hopffer Almada
Janira Hopffer Almada

​Decisão da presidente do maior partido da oposição foi anunciada ontem em comunicado. Decisão, diz Janira, foi tomada “com firmeza e coragem” e que não se recandidatar é a escolha que “melhor serve o Partido”.

Além de presidente do PAICV, Janira acumulou desde o início do mandato desta legislatura as funções de líder parlamentar. Agora com o aproximar das eleições, a presidente anuncia que não se vai candidatar mais uma vez ao cargo de líder parlamentar.

Em comunicado, o PAICV anuncia que a sua líder tomou esta decisão “convicta de que está a fazer a escolha que melhor serve o Partido, neste momento, em que é preciso incrementar, ainda mais, a aproximação à sociedade, mediante uma dedicação, a tempo integral, da presidente do Partido, tendo em vista os embates que o PAICV terá futuramente”.

“O sentimento é de dever cumprido e advém do intenso trabalho desenvolvido e do nível de produtividade alcançado em que, por iniciativa do PAICV, tiveram lugar, na Casa Parlamentar, debates e interpelações sobre diversas matérias; foram assumidas diversas declarações políticas; pedidos de criação de Comissões Parlamentares de Inquérito para os dossiers Novo Banco e Binter, além de pedidos de Fiscalização de Constitucionalidade (aquando da aprovação do OE para 2017 e, agora, com o Acordo SOFA), imprimindo maior dinamismo ao Parlamento e contribuindo para uma opinião pública cabo-verdiana melhor esclarecida e mais interventiva”, acrescentou Janira Hopffer Almada.

Discurso directo

Ainda na terça-feira, num texto publicado no Facebook, a presidente do PAICV reforçava as explicações para não se candidatar a um segundo mandato.

Mas primeiro, o contexto. “Há dois anos e meio, quando decidi candidatar-me à Liderança do Grupo Parlamentar, era o “rosto” da derrota! O PAICV tinha acabado de perder as Eleições Legislativas da forma como perdeu. Assumi os resultados, e a responsabilidade de liderar o partido no Parlamento, com a coragem com que sempre encarei todos os desafios da minha vida”, escreveu dizendo ainda que ao assumir a liderança da bancada o fez “decidida a imprimir à Oposição Parlamentar, nesse Pós-Eleição, uma dinâmica que não deixasse ninguém “jogar a toalha ao chão”.”

“Cumpri o meu dever”, garante ainda Janira Hopffer Almada.

As criticas, prossegue, “existirão sempre” mas, diz, durante a sua liderança “o PAICV esteve presente e actuante em momentos decisivos e não só.
Propôs debates, fez interpelações, apresentou declarações políticas, solicitou a constituição de Comissões Parlamentares de Inquérito e suscitou a fiscalização de algumas normas, em algumas matérias”.

Mas agora, no fim deste mandato como líder da bancada do PAICV, Janira Hopffer Almada considera que é “momento de sair dos gabinetes…Estabelecer um contacto ainda mais próximo e empático com o país real. Ouvir as pessoas, olhando-as olhos nos olhos, ouvindo-as com o coração e pensando juntamente com elas, que País pretendemos, realmente, construir”.

Não me recandidato porque, para mim – como sempre assumi – a Política sempre foi missão. Não me recandidato porque o que me move – como sempre assumi – é uma causa. Não me recandidato porque entendo que nenhum cargo público e/ou político tem “dono”. Ocupamos a função temporária e transitoriamente e não podemos nos esquecer disso em nenhum momento da caminhada”.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 880 de 10 de Outubro de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:André Amaral,13 out 2018 9:01

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  18 dez 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.