​Augusto Neves promete trabalhar para resolver problemas de disponibilização de areia no Lazareto

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,10 abr 2019 14:56

 Augusto Neves e José Carlos
Augusto Neves e José Carlos(Rádio Morabeza)

O presidente da Câmara Municipal de São Vicente reconhece alguma dificuldade na reposição da areia extraída para abastecer os camionistas na zona do Lazareto. Em causa, questões relacionadas com a recolocação do combustível nas máquinas ou problemas nos camiões utilizados para amontoar o material de construção.

Quem o diz é o presidente da autarquia mindelense, Augusto Neves, que promete trabalhar para ultrapassar o problema.

“Muitas vezes por transporte de combustível, por atraso na extracção e colocação da areia na superfície, muitas vezes são problemas nos camiões para colocar a areia lá em cima à disposição dos camionistas, evitando acidentes. Mas nós iremos ultrapassar isso, porque o preço [por m3] é simbólico e serve mais para disciplinar”, explica.

As declarações do presidente da Câmara Municipal de São Vicente foram proferidas hoje, em conferência de imprensa, em reacção às denúncias sobre “a pouca quantidade e má qualidade” da areia disponibilizadas aos camionistas, feitas segunda-feira pela UCID.

Para Augusto Neves, a questão da qualidade não se põe.

“A areia colocada que está cá em cima é a mesma, porque é apanhada lá em baixo, para evitar a extracção desenfreada que existia e que causou muitos mortos. O trabalho que as empresas fazem para as empresas, a Câmara faz para os camionistas e coloca a mesma areia, em segurança, na superfície”, diz.

A máquina presente no local da extracção, segundo o edil mindelense, pertence ao Ministério da Agricultura e Ambiente e é operada pela delegação de São Vicente. No que diz respeito à venda de senhas, Neves explica que as pessoas compram para aquilo de que necessitam, mas que a Câmara tem de controlar.

“As pessoas compram senhas de acordo com aquilo que vão fazer. Nós evitamos a venda de muitas senhas, para não permitir o armazenamento. Mas neste momento é uma questão que não se coloca, há areia à vontade. O que temos de fazer é evitar a ruptura”, esclarece.

Augusto nega, por outro lado, qualquer alegada concorrência desleal entre as empresas de construção e os camionistas.

Em Agosto do ano passado, a Câmara Municipal de São Vicente passou a vender a areia extraída no Lazareto. A medida foi apresentada pelas autoridades como resposta aos muitos acidentes que têm acontecido no local. Nesta nova modalidade, a areia passou a ser extraída por máquinas e disponibilizada aos camionistas, mediante a aquisição de uma senha, no valor de 400 escudos por m3.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,10 abr 2019 14:56

Editado porFretson Rocha  em  16 jun 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.