"A pobreza, o desemprego, as ameaças ambientais são iguais em todo o mundo" - Muhammad Yunus

PorAndre Amaral,24 mai 2019 15:23

Muhammad Yunus
Muhammad Yunus

Muhammad Yunus, criador do sistema de micro-crédito e prémio Nobel da Paz em 2006, foi recebido, ao final da manhã de hoje, pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca.

No final do encontro, Yunnus explicou que o encontro serviu para falar “sobre a nossa experiência no Bangladesh. Expliquei as minhas ideias sobre empreendedorismo e que todos os seres humanos são empreendedores e falámos sobre como orientar os jovens para o empreendedorismo. Os jovens não podem ficar à espera dos empregos, porque eles não vão aparecer e depois os jovens vão fazer pressão sobre os governos para que sejam criados empregos públicos. Isso não faz sentido”.

Para Muhammad Yunnus se há fenómenos verdadeiramente globais eles são a pobreza e a desigualdade na distribuição de riqueza e rendimentos. “A pobreza, o desemprego, as ameaças ambientais, a concentração de rendimentos e de riqueza são iguais em todo o mundo. O Bangladesh não é diferente dos EUA e os EUA não são diferentes de Cabo Verde. É tudo uma questão de escala”, explicou o vencedor do prémio Nobel da Paz em 2006.

Para Muhammad Yunnus combater a pobreza num país como Cabo Verde é um processo menos complexo que em países de maior dimensão. “Nós temos um grande número de habitantes ao contrário de Cabo Verde e eu digo que ter uma população reduzida é uma bênção, porque se pode resolver um problema de cada vez. Nós temos milhões de pessoas no Bangladesh e fica dificil chegar a todos em todo o país. Aqui fica mais fácil porque se sabe onde cada pessoa está, em que condição vive, quantos filhos tem. É muito mais fácil aqui, é só seguir o caminho certo. Tem que se levar os serviços financeiros a quem está fora desse serviço, inclui-los nesse sistema criando uma instituição para os mais pobres”.

Antigo professor de Economia, Muhammad Yunus, que está por estes dias em Cabo Verde, recebeu o Nobel da Paz em 2006 pelos esforços para retirar populações da pobreza extrema, concedendo-lhes pequenos empréstimos.

Em 2016, as instituições de micro-finanças de natureza associativa em Cabo Verde serviam 11.703 clientes, com uma carteira de crédito de 600 milhões de escudos cabo-verdianos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,24 mai 2019 15:23

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 fev 2020 23:21

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.