Primeiro-ministro destaca importância da economia digital para Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas, Lusa,9 nov 2019 17:29

Apresentação da plataforma Cabo Verde Digital, em Lisboa
Apresentação da plataforma Cabo Verde Digital, em Lisboa

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, assinalou ontem, em Lisboa, a importância da economia digital para Cabo Verde, que considerou ter "todas as condições"para o fazer.

"É muito importante porque a economia digital é uma grande aposta do Governo cabo-verdiano, porque nós temos todas as condições", disse o Correia e Silva, no final da cerimónia de apresentação do programa Cabo Verde Digital, que se realizou em Lisboa.

O chefe do Governo de Cabo Verde considera que o país tem "talentos, um sistema que se está a preparar, desde o sistema educativo, um ecossistema de financiamento, apoio ao empreendedorismo, estabilidade" e que é "um país 'friendly' [amigável] a receber os seus amigos".

"Portanto [temos] todas as condições para podermos funcionar de facto como uma plataforma em África para o desenvolvimento de tecnologias que possam ser exportáveis e que possam contribuir também para a melhoria da eficiência da economia do país", vincou Ulisses Correia e Silva.

Durante a sua participação na cerimónia de apresentação do programa, que conta com o apoio do Governo de Cabo Verde, o primeiro-ministro referiu que o arquipélago tem uma "massificação do acesso às tecnologias de informação e comunicação", sublinhando que "mais de 50% dos agrupamentos do ensino básico e secundário" têm contentores com materiais informáticos que permitem, entre outros, o acesso à computação e à programação.

O governante referiu que há "um forte investimento em todas as suas vertentes" que começa no sistema educativo, sustentando-se no ensino de línguas estrangeiras.

Além disto, Ulisses Correia e Silva disse ser necessário "criar todas as condições favoráveis ao investimento".

"'Startups', linhas de crédito bonificadas, com garantias asseguradas pelo Estado, pelo menos uma parte, para poderem estar cada vez mais em condições de gerar a sua própria actividade produtiva, e reduzir a dependência relativamente ao próprio Estado", enumerou o primeiro-ministro.

Ainda em relação à participação das entidades estatais, Ulisses Correia e Silva sublinhou que "o sonho dos jovens não deve ser bater à porta do Estado, não deve ser querer ser funcionário público".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,9 nov 2019 17:29

Editado pormaria Fortes  em  18 nov 2019 12:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.