António Monteiro diz-se vítima de tentativa de assassinato de político

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,25 nov 2020 15:45

António Monteiro, deputado nacional e presidente da UCID, diz-se vítima de tentativa de assassinato de político e questiona a legitimidade do presidente da Assembleia Nacional para lhe suspender o mandato, facto que aconteceu esta manhã, durante alguns minutos. Posição expressa hoje em conferência de imprensa realizada em São Vicente.

Em causa, o facto de hoje, no arranque dos trabalhos parlamentares, Monteiro ter sido impedido de intervir no debate com o Primeiro-Ministro. Ao solicitar a palavra, o presidente da UCID foi informado de que o seu mandato estava suspenso, com a sua eleição como vereador em São Vicente, nas autárquicas de 25 de Outubro. Decisão que, entretanto, foi posteriormente revertida.

"Uma tentativa de assassinato político da minha pessoa e demonstra que, apesar destes anos da chamada 'democracia', estamos ainda muito longe, realmente, da democracia. Estamos a falar de alguns deputados, de alguns elementos do MpD, que se dizem donos da democracia”, denuncia.

Monteiro recorda que, em 2008 era vereador, a meio tempo, na CMSV e deputado nacional e refere que, em caso de dúvida, a Assembleia Nacional poderia ter entrado em contacto, para pedir esclarecimentos.

O presidente da UCID afirma que conhece as incompatibilidades existentes no estatuto dos deputados e que, na altura certa, tomará a sua decisão, se assim se justificar.

“Há incompatibilidade em ser deputado nacional e vereador a tempo inteiro. E havendo essa incompatibilidade, é claro que tenho a noção exacta daquilo que devo fazer e das decisões que devo tomar, no momento certo. Agora, o que não é admissível é que, baseado em pressupostos que não existem, o Presidente da Assembleia e o MpD tomem a decisão que tomaram hoje”, sublinha.

O deputado da UCID recorda que a suspensão do mandato é uma competência da Comissão Permanente da Assembleia Nacional e que “não tem conhecimento de nenhuma reunião da comissão sobre a questão”.

António Monteiro considera que está a ser alvo de uma perseguição política "inadmissível", por causa da liderança da UCID na Assembleia Municipal de São Vicente.

“Por causa da assumpção da mesa da Assembleia Municipal, fomos hoje brindados com revanchismo, ódio e uma postura inadmissível em democracia”, lamentou, na sede do partido, no Mindelo. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,25 nov 2020 15:45

Editado porAndre Amaral  em  22 jan 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.