Oposição pede políticas claras para atenuar efeitos das alterações climáticas

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,29 out 2019 13:04

Os partidos debatem hoje, no parlamento a estratégia do país para fazer face às alterações climáticas. Se, por um lado, os partidos na oposição pedem medidas claras de combate ao fenómeno, tendo em conta as vulnerabilidades do país aos choques externos, por outro, a maioria fala numa perspectiva de desenvolvimento sustentável, com efeitos práticos na economia.

Na abertura do  debate com o primeiro-ministro, sobre os desafios de Cabo Verde face às mudanças climáticas e aos choques externos, o PAICV acusou o governo de falhar na estratégia de minimização dos efeitos da seca e alertou  que os impactos negativos já afectam as populações mais vulneráveis. 

Posição defendida pela deputada e líder partidária, Janira Hopffer Almada,  que recordou  que o país é ecologicamente frágil mas que os efeitos das mudanças climáticas podem ser atenuados.

“É que o país está a enfrentar o terceiro ano de seca consecutiva e desde de 2018 enfrenta o risco de segurança alimentar, em particular no mundo rural, sem que o governo tenha conseguido acudir às famílias cabo-verdianas. As Nações Unidas já disseram que, em 2018, 13% da população cabo-verdiana foi afectada pela fome”, aponta.

A parlamentar questiona o que classifica de “falhado plano mitigação dos efeitos das secas”, e reafirma a necessidade de revisão do programa.

“É preciso rever as políticas nacionais em matéria de luta contra a seca e que claramente não têm dado os resultados pretendidos. É chegado o momento de passarmos da gestão de crise à preparação para as secas, introduzindo mudanças que reforçam a capacidade de resiliência e adaptação das populações às situações futuras", diz. 

Por seu lado, o MpD afirma que o governo reconhece a vulnerabilidade da economia a choques externos.

Rui Figueiredo Soares, líder da bancada, assegura que o governo tem dado atenção especial ao problema, exemplificando com os recentes dados do INE que apontam para o crescimento económico.

“Não obstante, a economia cabo-verdiana permanece grandemente vulnerável a choques externos devido a factores conhecidos. O governo não está à espera que a situação se degrade, pelo contrário, tem dado uma particular atenção ao problema, colocando-o no centro da sua atenção”, indica.

O deputado destaca a necessidade de Cabo Verde “vencer as vulnerabilidades, a dependência externa, combater a pobreza e a desigualdade na defesa do presente e do futuro do país”.

As projecções climáticas da ONU para Cabo Verde apontam para um futuro mais quente e seco. Os modelos do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (PIAC) prevêem um aumento nas temperaturas médias de até 2,5°C para a região do Atlântico tropical oriental e uma diminuição da humidade e precipitação de 5 a 10% por ano.

A previsão é que as secas generalizadas condicionem o desenvolvimento.

Neste sentido, a UCID, através do deputado António Monteiro, lembra que as mudanças climáticas exigem uma nova forma de pensar o desenvolvimento.

“Cabo verde não tem nenhum impacto a nível dos três mil gigatons de dióxido de carbono que são lançados na atmosfera todos os anos. O nosso impacto é reduzido mas não é por causa disso que vamos amarrar os braços. Achamos que Cabo Verde deve ter uma atitude pro-activa para poder influenciar pela positiva”, alerta.

Cabo Verde está incluído numa lista de 41 países que, segundo a FAO, precisam de ajuda alimentar.Segundo a agência da ONU, no arquipélago 2% da população está em situação de crise alimentar. 

Ulisses garante estratégia para aumentar resiliência do país

O Governo reafirma que tem uma agenda e uma estratégia de médio e longo prazo para aumentar a resiliência do país, adaptação aos choques externos e às mudanças climáticas. Segundo o primeiro-ministro, as medidas estão alinhadas com os compromissos internacionais, disse hoje o chefe do Governo, no Parlamento.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,29 out 2019 13:04

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 nov 2019 9:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.