PGR quer resposta mais efectiva ao cibercrime

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,11 abr 2019 18:56

​O Procurador-Geral da República disse hoje que Cabo Verde está a trabalhar para poder dar uma resposta mais eficaz no combate ao cibercrime e anunciou a criação de uma unidade orgânica na Polícia Judiciária com responsabilidade para a investigação do fenómeno.

Óscar Tavares falava aos jornalistas na sequência da realização, hoje, na Cidade da Praia, da conferência internacional sobre cibercrime e prova electrónica no espaço lusófono, que reúne magistrados dos Ministérios Públicos de todos os países que integram a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O país aderiu à convenção do Conselho de Europa (Convenção de Budapeste) e tem aprovado, desde 2017, a lei sobre cibercrime (Lei 08/IX/2017), que define um conjunto de tipos penais e estabelece regras ao nível da recolha da prova digital.

Neste momento, a nível da Polícia Judiciária (PJ) está em processo de criação de uma unidade orgânica com responsabilidade para investigação da criminalidade em ambiente digital, e a nível do Ministério Público está-se a trabalhar no sentido de estabelecer mecanismos que permitam uma coordenação de toda a intervenção do Ministério Público nesta matéria.

“Estamos a trabalhar para que possamos ter as condições necessárias para uma resposta que possa ser mais efectiva e eficaz no que tem a ver com o combate a esse fenómeno criminoso” sustentou.

“Em Cabo Verde aquilo que tem sido objecto de investigação do Ministério Público tem sido a utilização das tecnologias de comunicação e informação para a prática de crimes comuns, nomeadamente injurias e difamação, adulteração dos perfis de utilizadores das redes de comunicação”, apontou.

A Procuradoria-Geral da República de Cabo Verde vai contar com a experiência da Procuradoria-Geral de Portugal, através do seu gabinete de combate ao cibercrime, que já se disponibilizou em dar apoio.

“Para a recolha de prova nesses casos põe-se o problema da cooperação internacional, porque as bases de dados muitas vezes estão fora e quem as utiliza sabe que não estão aqui”, explicou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,11 abr 2019 18:56

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  21 ago 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.