Previsões do FMI para Cabo Verde já estão desactualizadas e serão “piores” – vice-PM

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 abr 2020 8:01

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que Cabo Verde tenha um crescimento económico negativo de 4% este ano, mas o vice-primeiro-ministro garantiu que essa previsão está desactualizada, apontando números “piores”.

A Lusa noticiou na quarta-feira que, depois daquela recessão este ano, devido à crise provocada pela pandemia de COVID-19, o crescimento deverá voltar a Cabo Verde, cerca de 5,5%, em 2021, mas que a dívida pública deverá aumentar para 132,5% do Produto Interno Bruto (PIB) ainda este ano, segundo a mesma previsão divulgada pelo FMI.

“Estes cenários já estão ultrapassados. Os números estão a ser actualizados, semanalmente. Os números finais poderão ser piores”, reagiu, numa mensagem colocada esta quinta-feira na sua conta oficial na rede social Facebook, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia.

“Seja como for, estamos, como nação, com energia suficiente para aguentarmos o choque e o supersoco e reinventarmos Cabo Verde. Será desafiante para Cabo Verde”, admitiu o governante, na mesma mensagem.

Segundo o FMI, os países de recursos não intensivos devem ver o crescimento abrandar de 6,2% para 2%, e dentro deste grupo, os países dependentes do turismo, como Cabo Verde, São Tomé e Príncipe ou as Ilhas Seychelles, “deverão passar por uma quebra severa, com o PIB a contrair-se 5,1% depois de ter crescido, em média, 3,9% em 2019".

Cabo Verde conta actualmente com 55 casos da covid-19, distribuídos pelas ilhas da Boa Vista (51), de Santiago (3) e de São Vicente (1). Um destes casos, um turista inglês de 62 anos, acabou por morrer na Boa Vista, enquanto outro dos doentes já foi dado como recuperado.

A crise económica já se sente no arquipélago, dependente do turismo e fechado ao exterior devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, tendo o vice-primeiro-ministro assumido anteriormente a preparação de um novo Orçamento do Estado para 2020, porque o actual “pifou”.

Em cima da mesa, explicou, está um cenário de défice orçamental que dispara este ano de 2 para 10% do Produto Interno Bruto (PIB), com a correspondente “explosão” da dívida pública e uma recessão económica de 4 a 5% do PIB, contra o crescimento anual acima de 5% que se registava até agora.

O quadro, reconheceu, é composto ainda, “no melhor cenário”, pela duplicação do desemprego, cuja taxa poderá chegar aos 20% e a quebra de 18 mil milhões de escudos  em receitas públicas.

O país cumpre o último de 20 dias previstos de estado de emergência para conter a pandemia provocada pelo novo coronavírus, com a população obrigada ao dever geral de recolhimento, com limitações aos movimentos, empresas não essenciais fechadas e todas as ligações interilhas e para o exterior suspensas.

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, anunciou ontem a prorrogação do estado de emergência até 02 de Maio nas três ilhas com casos diagnosticados de COVID-19 e até 26 de Abril nas restantes.

A nível global, a pandemia de COVID-19 já provocou mais de 133 mil mortos e infectou mais de dois milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 436 mil doentes foram considerados curados.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 abr 2020 8:01

Editado porSara Almeida  em  14 ago 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.