Criminalidade desceu 7,2% em 2020

PorAndre Amaral,13 mar 2021 7:15

Polícia Nacional apresentou esta segunda-feira os dados relativos às ocorrências criminais em todo o país e nota que a criminalidade continua a descer. Dados são relativos a 2020.

De 2019 para 2020 o número de crimes registados pela Polícia Nacional em todo o país baixou de 14.997 para 13.991. Ou seja, em 2020 foram registados menos 1.086 crimes do que no ano anterior.

Fazendo o balanço ao período entre 2016 e 2020 a descida, aponta a PN, foi de 57,2% ou, seja, foram registadas, na Polícia Nacional, menos 11.950 queixas relativas aos mais diversos tipos de crimes.

Emanuel Estaline, comandante Nacional da PN, deu destaque à redução da criminalidade “em 14 Municípios, dos quais nas principais centralidades”. As reduções mais significativas foram registadas na Praia com menos 293 casos (-6,27%), Boa Vista com menos 197 casos (-34,5%), São Vicente com menos 149 ocorrências (- 4,2%), Sal com 130 casos (-15%), Santa Cruz com menos 119 casos (-15,6%), Brava com menos 91 (-30%), S. Catarina de Santiago com menos 89 (-16,3%) e Tarrafal de Santiago com menos 85 ocorrências (- 19%).

Os crimes contra o património representaram a segunda tipologia de crimes mais comum a nível nacional representando 49,7% do total das ocorrências. Uma descida de 13% relativamente ao ano anterior.

Já os crimes contra pessoas, que representam 50,3% do total das ocorrências sofreram uma redução de 0,58%.

Na sessão de abertura do XV Conselho de Comando da Polícia Nacional o ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, afiançou que a Reunião do Conselho e Comando é o momento que define as linhas de acção e actuação da Polícia Nacional.

O encontro, defendeu Paulo Rocha, é “sobretudo um momento de reflexão. O olhar tem de ser estratégico e objectivo. Tem de ser ousado, mas sempre consciente da realidade que nos rodeia, dos desafios, de forma a manter o foco na acção estratégica policial bem como de forma a corrigir, o que vai constatando a necessidade de realinhamento ou de melhorias”.

Paulo Rocha apelou ainda às lideranças que avaliem, em permanência o nível das acções projectadas que façam o balanço dos planos de actividades sectoriais, e que introduzam as correcções necessárias e medidas que se impuserem para uma melhoria da segurança e consequente tranquilidade social.

Que crimes nos principais centros urbanos?

Os principais centros urbanos – Praia e São Vicente – são também aqueles que apresentam os principais índices de criminalidade.

Em São Vicente foram registadas, em 2020, 3.397 queixas por crimes.

Nos crimes contra as pessoas, as ofensas corporais (621 ocorrências) e as ameaças (262 ocorrências) registaram aumentos em relação ao ano passado. Já a VBG denotou um decréscimo, passando de 303 crimes em 2019 para 262 em 2020. Injúrias, crimes sexuais contra adultos, crimes sexuais contra menores e homicídios também registaram aumentos no ano passado.

Já no que respeita a crimes contra o património, a ilha do Monte Cara registou menos 316 ocorrências. Tanto os furtos como os roubos, adianta a Polícia Nacional, registaram descidas em 2020.

Na capital o cenário é idêntico, embora a descida seja menos acentuada. Em 2020 a Polícia Nacional registou 4.343 ocorrências entre crimes contra pessoas (1.574) e crimes contra o património (2.809).

Nestas ocorrências há a destacar o aumento dos casos de VBG (mais 38 do que em 2019) e de ameaça (mais 40 do que em 2019). Também os crimes de homicídio e de injúria registaram aumentos em relação ao ano de 2019. Já os crimes sexuais contra adultos e contra menores diminuíram quando se compara o ano de 2020 com 2019.

Saindo das principais cidades, a Polícia Nacional registou aumentos nas ilhas de Santo Antão, que passou de 880 casos em 2019 para 2020, Maio que registou um aumento de 235 para 294 ocorrências e Fogo onde o aumento é ligeiro mas, ainda assim, assinalável, passando de 1.049 casos em 2019 para 1.087 em 2020.

Os principais crimes

Segundo o relatório, apresentado no XV Conselho de Comando da Polícia Nacional, o crime mais frequente a nível nacional foram as ofensas corporais. Ao todo, durante o ano passado, a Polícia Nacional registou 2.458 ocorrências deste crime. São menos 80 do que em 2019.

Os crimes de VBG surgem em segundo lugar com 1.667 ocorrências registadas. Um aumento de 31 casos relativamente a 2019.

Também as ameaças registaram um aumento. Foram 1.144 em 2020 quando, em 2019, tinham sido registadas 1.137 ocorrências.

No que respeita aos homicídios, a Polícia Nacional registou 36 casos em 2020. Mais dois que no ano anterior.

Neste capítulo Santiago registou o maior número de casos com 23 homicídios sendo que 19 foram contabilizados na Praia. Em São Vicente foram contados seis homicídios, Brava teve dois tal como o Fogo. Santo Antão, Boa Vista e São Nicolau contabilizaram um caso de homicídio cada. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1006 de 10 de Março de 2021.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,13 mar 2021 7:15

Editado porAntónio Monteiro  em  16 abr 2021 9:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.