​“Qualquer dia instituiremos o trabalho escravo nas nossas ilhas” - UCID

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,27 mar 2018 14:58

A UCID denuncia aquilo que chama de degradação da situação laboral em Cabo Verde, com graves prejuízos para os trabalhadores. Numa interpelação ao executivo de Ulisses Correia e Silva, apresentada hoje, no parlamento, o partido considerou que a cada dia que passa os trabalhadores têm menos direito e menos protecção.

Pela voz do deputado João Santos Luís, a UCID cita como exemplo a redução da indemnização por despedimento e acusa os sucessivos Governos de facilitarem o despedimento. 

“Por este caminho, qualquer dia os despedimentos passam a ser livres e sem direito a qualquer indemnização. Ou seja, os sucessivos governos que o país já teve, bem como o actual, do mesmo modo que facilitam o despedimento e inviabilizam a reintegração, reduzem a indemnização devida por despedimento e substituição da reintegração, encorajando os empregadores a terem posições arbitrárias para com os trabalhadores”, entende.

O partido considera que a reforma laboral de 2016 passou a encorajar os contratos de trabalho a prazo, em detrimento do contrato por tempo indeterminado. João Luís entende que a redução da protecção dos trabalhadores está a ser feita de forma deliberada, com a falsa ideia de que quanto menos protegido o trabalhador estiver, mais se desenvolve a economia.

“Ao continuarmos a seguir essa lógica, qualquer dia instituiremos o trabalho escravo nas nossas ilhas. Com efeito, se a lógica é de que degradando a condição de vida dos nossos trabalhadores garantimos melhor desenvolvimento económico, no limite, chegaremos à conclusão de que a escravatura serve melhor o desenvolvimento”, acredita.

Em resposta, o Governo, através da ministra da Justiça e Trabalho, Janine Lélis, diz que é necessário promover uma lei laboral justa, alcançando o equilíbrio entre a segurança no trabalho e a flexibilização necessária ao desenvolvimento económico.

“Nós não podemos descurar, nem ignorar, que a competitividade do país depende muito da legislação laboral que tem. Como também não podemos descurar que é este conjunto de normas e essa regulamentação que, na verdade, ditará o melhor funcionamento das empresas. São essas regras que também podem servir para atracção do investimento directo estrangeiro, que é a necessidade do país e que, por conseguinte, não se pode descurar que a questão laboral deve ter presente os direitos dos trabalhadores mas, acima de tudo e também, o direito à empregabilidade daqueles que ainda não são trabalhadores”, explica.

Quanto à diminuição dos valores de indemnização, Janine Lélis lembra que também há uma facilitação das empresas em relação à contratação, “porque viram os custos da contratação diminuídos”.

“É natural e normal que tenhamos evoluído de um regime de 1993 para cá, e que os valores das indemnizações tenham mudado significativamente. Também é natural e não são desconhecidos os níveis de desemprego que o país conhece e que têm que ser combatidos de todas as formas”, acrescenta.

O Governo reconhece a necessidade de garantir melhores condições de trabalho, mas também de permitir uma conjuntura legal que promova a empregabilidade.

Sobre uma eventual alteração do código laboral, Janine Lélis lembra que a última modificação aconteceu em 2015,.

A governante afirma que a questão foi apresentada em sede de concertação social, tendo ficado definido que é necessário dar tempo para que se possam apurar os resultados desta nova lei. Para 2019 fica prometido um estudo para se poder aferir da necessidade ou não de uma revisão. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,27 mar 2018 14:58

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  24 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.