​UCID questiona “atraso” na publicação da lista dos torturados de 1977

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,11 nov 2019 14:37

A UCID critica o Governo pelo facto de ainda não ter publicado a lista dos torturados de 1977, em São Vicente. A atribuição de uma pensão mensal de 75 mil escudos foi aprovada no Parlamento em Junho deste ano, mas os democratas cristãos recordam que o projecto de lei foi apresentado em Dezembro de 2018.

O partido fala em falta de respeito para com os torturados pelo regime de partido único.

“Nós entendemos que é uma falta tremenda de respeito relativamente a estas pessoas, que nada fizeram. A única coisa que fizeram foi terem ideias diferentes relativamente à gestão do país, e foram torturados. E o Governo do MpD que se arvora em defensor e pai da democracia, e defensor do direito individual de cada cidadão faz tábua rasa desta situação e não consegue publicar pelo menos a lista que tem em mãos há mais de um ano”, diz.

A UCID entende que já é altura de o Governo pôr um ponto final na resolução do problema, para minimizar a situação das mais de 36 famílias que sofreram com o ocorrido. António Monteiro diz que o seu partido entregou uma lista há cerca de um ano.

“Esta demora é incompreensível porque ainda há algumas pessoas que estão vivas, e que têm lutado desde longa data para isto. Infelizmente dá impressão que o Governo faz tábua rasa porque provavelmente não sentiu na pele a dor que estas famílias sofreram em 1977”, entende.

No dia 4 de Junho de 1977, era detido em São Vicente um grupo de conhecidos mindelenses, acusados de serem contra-revolucionários e de estarem a preparar ataques terroristas, mas que entretanto se tinham limitado a distribuir panfletos. O regime de partido único reagiu com violência, torturando e espancando os presos. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,11 nov 2019 14:37

Editado porSara Almeida  em  6 dez 2019 5:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.