​Câmara de São Vicente profissionaliza todos os vereadores

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,15 jan 2021 16:41

A Câmara Municipal de São Vicente profissionalizou todos os vereadores eleitos nas últimas eleições autárquicas. A proposta foi aprovada na primeira sessão extraordinária da Assembleia Municipal, realizada hoje, na Academia de Música Jota Monte, com votos a favor do MpD e do PAICV. A UCID e o Movimento Más Soncent abstiveram-se.

O deputado municipal do MpD, Flávio Lima, destaca que pela primeira vez a Câmara Municipal de São Vicente tem todos os vereadores profissionalizados e com todas as condições para trabalhar e servir a ilha. O eleito municipal considera que houve muita abertura por parte do edil Augusto Neves, que “acolheu” as propostas dos partidos e do Más Soncent.

“Nós queremos criar um clima de diálogo, de articulação e de concertação a bem de São Vicente. Na política, às vezes temos de abrir mão de certas coisas a bem da nossa população e da nossa ilha porque fomos eleitos para isso”, diz.

Do lado do PAICV, que que também validou a proposta de profissionalização dos vereadores, Jean Emmanuel entende que já era tempo de disponibilizar os instrumentos de gestão aos órgãos municipais, “porque os munícipes já estão a espera que comecem a trabalhar”.

“Era de bom tom e coerente aprovarmos este instrumento porque senão corríamos o risco de criar constrangimentos, e não é essa a postura do PAICV. Nós nunca iremos contribuir para bloquear. Estamos aqui para o bem do município. Esperamos agora que a Câmara Municipal cumpra as leis e que nos faculte, atempadamente, o orçamento e plano de actividades até 31 de janeiro”, refere.

A UCID absteve-se. Jorge Fonseca, líder da bancada do partido, justifica o sentido de voto com a não aceitação da proposta apresentada para que o vereador Anilton Andrade fosse profissionalizado a tempo inteiro.

“Porque ele neste momento tem algumas atribuições que lhe conferem muito desafio pela frente. Com as responsabilidades que tem terá que ter tempo para o fazer. Achamos que o senhor presidente da Câmara não foi razoável ao não atender o nosso pedido”, justifica.

Também o Movimento Más Soncent (MIMS) votou abstenção, pelas mesmas razões da UCID. Albertino Gonçalves, líder do MIMS, não entende como é que um vereador com responsabilidades nas áreas da saúde, bem-estar e higiene urbana, relação com o munícipe e defesa do consumidor, associativismo, cidadania e participação, segurança rodoviária e actividades do mar seja profissionalizado a meio tempo.

“E neste momento põe-se a questão da saúde que está em primeiro lugar. Podia perfeitamente ter profissionalizado o vereador Anilton da UCID a tempo inteiro, porque ele tem a área da saúde. Eu não entendi essa dissonância cognitiva da Câmara justificada pela falta de recursos financeiros”, realça.

Augusto Neves perspectiva um bom mandato. Aprovação de instrumentos de gestão ainda sem data

O presidente da Câmara Municipal, Augusto Neves, diz que a distribuição dos pelouros foi feita de acordo com as necessidades do município. Entende que se todos trabalharem afincadamente a edilidade fará um bom mandato, com melhoria da qualidade de vida da população.

Quanto à profissionalização de todos os vereadores, o presidente afirma que visa dar resposta aos tempos actuais.

“São Vicente hoje tem mais população, as coisas estão mais difíceis e é possível exigir mais aos vereadores quando estão profissionalizados. Necessitamos trabalhar muito mais porque há muita coisa aqui em São Vicente que necessita ser feita, e de certeza com todos os vereadores profissionalizados, mesmo a meio tempo, nós traremos um bom trabalho a bem do município”, destaca.

Sobre a não profissionalização a tempo inteiro do vereador Anilton Andrade, da UCID, Augusto Neves diz que é preciso ter alguma cautela a nível financeiro.

“Todos os pelouros são importantes. Mesmo a meio tempo se o vereador quiser trabalha muito. São transversais os pelouros e estamos lá para interajudar e poderemos fazer muita coisa”, acredita.

Augusto Neves garante que o plano de actividades e orçamento já estão prontos e que na segunda-feira, 18, serão discutidos na sessão da Câmara Municipal para serem submetidos à Assembleia Municipal para aprovação.

“Tudo faremos para, o mais rápido possível, termos esse instrumento muito importante para a Câmara Municipal aprovado, e podermos dar seguimento aos trabalhos na ilha”, garante.

Ainda não há uma data fixada para apresentação e aprovação dos instrumentos de gestão pela Assembleia Municipal.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,15 jan 2021 16:41

Editado porAndre Amaral  em  26 fev 2021 8:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.