José Maria Neves reconhece importante contributo do apoio do PAICV para vitória em Outubro

PorSheilla Ribeiro,2 jun 2021 12:18

O candidato a Presidente da República, José Maria Neves reconheceu hoje que o apoio do PAICV à sua candidatura é um importante contributo no reforço da dinâmica da vitória em construção. Neves, que se candidata pela primeira vez ao Palácio do Plateau, disse ainda esperar que não haja qualquer tentação de reeditar a disputa entre os partidos políticos nas eleições de Outubro.

“O Partido Africano da Independência de Cabo Verde declarou o seu apoio a minha candidatura a Presidente da República de Cabo Verde. Reconheço que se trata de um importante contributo no reforço da dinâmica da vitória em construção. O PAICV é o partido da independência, um dos fundadores da democracia cabo-verdiana e cabouqueiro do processo de construção do Estado e de lançamento dos alicerces do desenvolvimento, pelo que o seu apoio é muito honroso para mim”, declarou durante uma conferência de imprensa.

Entretanto, frisou que não teme a onda de derrota daquele partido e que gostaria que as campanhas presidenciais fossem pedagógicas, por se tratarem de eleições da cidadania.

“Não podemos reeditar em Outubro o confronto entre o PAICV e o MpD. São candidaturas da cidadania e são candidatos para um órgão singular de soberania da República e portanto, devemos ir para um embate entre os candidatos e não entre os partidos políticos. E este é um trabalho pedagógico que temos de fazer e eu irei estar na estrada a falar com as pessoas, para podermos garantir a total separação entre as eleições. Espero que não haja nenhuma contaminação e nenhum contágio e que não haja qualquer tentação de reeditar a disputa entre os partidos políticos nas eleições de Outubro”, manifestou.

Neves reiterou que a sua candidatura é de todos os quadrantes políticos e sociais do campo político cabo-verdiano e prometeu ser um Presidente de todos os partidos políticos, de todas as ilhas e das comunidades da diáspora, as quais merecem a presença, o afecto e o cuidado permanente do Chefe do Estado.

Relativamente às campanhas, José Maria Neves anunciou que pretende fazer uma campanha elevada, que “respeita escrupulosamente” as regras sanitárias, de debate de ideias e de propostas sobre o exercício da presidência da República.

“Não vamos fazer, em tempos de pandemia, arruadas, aglomerações e a campanha será muito soft, voltada para um diálogo intenso com as pessoas, designadamente através das redes sociais. E se os órgãos da comunicação social colaborarem, porque têm de fazer muito mais debates e fazer adaptação aos tempos de pandemia; pôr os candidatos em debate permanente para que as mensagens possam chegar através das redes sociais e da comunicação social e evitar as aglomerações”, proferiu.

Independentemente do pacto entre os candidatos à presidência, Neves garantiu que vai cumprir as medidas sanitárias e ser um exemplo.

Nas suas declarações, o candidato referiu que os argumentos da sua candidatura estão voltados para os desafios do presente e do futuro e estão sintonizados com os sentimentos e as aspirações dos cabo-verdianos nas ilhas e na diáspora.

O aumento considerável da dívida e do défice, a falência das empresas, a redução do ritmo de crescimento económico e o aumento do desemprego e das desigualdades são questões que devem merecer a maior atenção do PR, segundo referiu.

A vacinação e a reconstrução do país no pós pandemia serão prioridades, assim como o apoio às empresas em dificuldades; o emprego; a habitação; o combate a pobreza, as desigualdades e a exclusão social; a reforma e modernização do estado e da administração pública; as questões ambientais são alguns dos pontos que estão no topo da agenda do candidato.

“Algumas pessoas estão com medo de se envolver na política, temem não conseguir ou ser prejudicados no emprego ou na educação dos filhos. A excessiva partidarização da administração pública e de todo o espaço público é um mal que deve ser extirpado abrindo espaços a concursos públicos de ingresso e a não discriminação das pessoas por razões político-partidárias, aliás nos termos e nos comandos da Constituição da República”, apontou.

José Maria Neves disse ainda que espera que as entidades publicas nacionais ou locais garantam isenção e tratamento igual a todas as candidaturas a Presidente da República.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,2 jun 2021 12:18

Editado porSheilla Ribeiro  em  3 jun 2021 10:09

pub.
pub.
pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.