​Governo quer mais atenção à gestão processual dos crimes transnacionais

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,16 out 2018 15:11

Corrupção, tráfico de pessoas, branqueamento de capitais, tráfico de estupefacientes, terrorismo e pirataria informática. Eis alguns crimes que requerem mais atenção na gestão processual, nas diferentes etapas.

A posição foi defendida hoje, em São Vicente, pela ministra da Justiça, Janine Lélis, que presidiu ao acto de abertura da conferência internacional subordinada ao tema “Organização e Gestão da Justiça Criminal”.

“A manifestação transfronteiriça dessas tipologias criminosas obriga necessariamente a uma maior aproximação entre os Estados e uma cooperação inter-institucional mais intensa, o que determina e implica que as nossas instituições estejam bem organizadas e apetrechadas, munidas de manuais de procedimentos claros e definidos pois em matéria de investigação o tempo é absolutamente crucial. Nesta ordem de ideias, a boa organização e gestão de um serviço pressupõe uma actuação concertada em várias vertentes, seja no domínio administrativo, matéria e financeiro, seja ainda a nível dos recursos humanos”, defende.

“Cabo Verde preconiza uma organização e gestão da justiça criminal que garanta a protecção dos direitos e patrimónios dos cidadãos, actue dentro dos limites constitucionais e legais, seja eficaz na descoberta matéria dos factos, justa na punição dos culpados, salvaguarde e protege as vítimas e seja competente na execução das sanções criminais”, acrescenta.

A governante reconhece que a morosidade continua a marcar a realidade judiciária nacional. Janine Lélis garante, por outro lado, que tudo o que diz respeito à justiça criminal está a ser reequacionado e reorientado, prevendo resultados consolidados de redução das pendências nas procuradorias.

"Não obstante os resultados, é sempre possível e desejável que façamos muito mais ainda para que os cabo-verdianos possam alcançar o nível de satisfação no funcionamento da justiça”, diz.

Também o Conselho Superior da Magistratura do Ministério Público entende que a morosidade processual continua a ser o ‘calcanhar de Aquiles’ do sistema, apesar de se registarem “avanços consideráveis”. O procurador-geral adjunto, Luís Landim, diz que o funcionamento deficiente da justiça deve-se, em grande parte, a uma fraca organização e gestão dos tribunais e dos próprios processos.

“Reconhece-se que grande parte do funcionamento deficiente da justiça se deve a uma fraca organização e gestão quer dos tribunais como dos processos. Na organização judiciária, integram-se de forma holística matérias como a selecção e formação dos magistrados, as políticas públicas de administração da justiça e da administração judiciária, as leis orgânicas, o mapa dos tribunais, as reformas processuais, administração e gestão dos tribunais, a gestão processual e a organização dos serviços de uma forma adaptada à realidade nacional, ancorada aos padrões internacionais”, lembra.

A conferência internacional “Organização e Gestão da Justiça Criminal”, que acontece no quadro do Projecto de apoio à Consolidação do Estado de Direito nos PALOP e Timor-Leste – PACED, reúne juízes cabo-verdianos e especialistas internacionais durante todo o dia de hoje, em Mindelo.

A ideia é promover uma reflexão, partilha e discussão em torno da importância da gestão, organização e administração das instituições judiciais para a eficácia e qualidade do sistema de justiça criminal e da boa governação. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,16 out 2018 15:11

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  8 jul 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.