PAICV acusa governo de esconder contrato assinado entre o Estado de Cabo Verde, os TACV e a Loftleidir

PorAilson Martins, Rádio Morabeza,13 set 2021 14:35

Vice-Presidente da Bancada Parlamentar do PAICV, Carla Solange Lima
Vice-Presidente da Bancada Parlamentar do PAICV, Carla Solange Lima Rádio Morabeza

O PAICV acusa o Governo de violar, intencional e deliberadamente, as leis da República, ao recusar fornecer informações relacionadas com dossiers sensíveis da gestão do país. O partido cita o contrato assinado entre o Estado de Cabo Verde, os TACV e a Loftleidir, em março de 2021, nas vésperas das eleições legislativas.

A Vice-Presidente da Bancada Parlamentar do PAICV, Carla Lima, fez estas declarações, durante a manhã de hoje em conferência de imprensa na cidade da Praia.

"É uma total falta de transparência nos negócios públicos, principalmente quando falamos do negocio da TACV, que desde o inicio tem sido marcado por esse secretismo por parte do governo. Desde o inicio, desde o primeiro contrato, [o governo] teve muitas dificuldades, em disponibilizar esses documentos aos deputados, e só o fez em último caso. Agora com este novo contrato, de 21 de Março, acontece a mesma coisa. Mesmo perante um requerimento aprovado pela unanimidade dos deputados na Assembleia Nacional o governo recusa-se a entregar o documento, o que nos leva a questionar o que e que estará o governo de Ulisses Correia e Silva a esconder ou a querer esconder dos cabo-verdianos ou da Assembleia Nacional ", avança.

A deputada diz que desde o passado dia 30 de Julho de 2021, durante o debate sobre o estado da Nação, o Grupo Parlamentar do PAICV apresentou um requerimento à Mesa da Assembleia Nacional, a pedir que o Governo entregasse aos deputados o contrato assinado entre o Estado de Cabo Verde, os TACV e a Loftleidir, em Março de 2021. Volvidos dois meses o PAICV ainda não tem em mãos o contrato.

Carla Lima entende que o executivo está a esconder algo.

"Nós entendemos que sim. Esta falta de transparência por parte do Governo, leva-nos a questionar os reais motivos deste negócio e leva-nos também a questionar como foi possível fazer um negócio tão ruinoso para o Estado de Cabo Verde, e para os cabo-verdianos. Não podemos esquecer que neste momento os cabo-verdianos não têm voos, não tem ligações aéreas por parte da TACV, e já foi gasto muito dinheiro numa empresa que nós vendemos, e nós não recebemos ",explica.

A deputada do PAICV diz que o Governo vendeu a empresa, não recebeu um centavo, pagou milhares de contos à empresa compradora e agora foi obrigada a reverter o negócio, ficando o País com um passivo de mais de 19.8 mil milhões de escudos.

Carla Lima avança ainda que o Grupo Parlamentar do PAICV vai socorrer-se de todos os meios legais e regimentais ao seu dispor, incluindo a solicitação da constituição de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, para aceder a toda a documentação e informações referentes ao processo de privatização dos TACV e levá-las ao conhecimento de todos os cabo-verdianos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Ailson Martins, Rádio Morabeza,13 set 2021 14:35

Editado porAndre Amaral  em  20 set 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.