Crescimento, dizem governo e MpD. Continuidade e herança, clama o PAICV. Orçamento do Estado aprovado na generalidade

PorAndre Amaral,30 nov 2018 18:47

3

“Estamos a crescer”, disse o MpD. “O crescimento é consequência das políticas da governação anterior”, respondeu o PAICV. “Não é a raiva que faz a razão”, atirou o Primeiro-ministro ao maior partido da oposição.

O Orçamento do Estado para 2019 foi votado favoravelmente, hoje, na Assembleia Nacional.

MpD (34 votos) e UCID (2 votos) votaram favoravelmente e os 25 deputados do PAICV contra.

No discurso de encerramento do debate, Miguel Monteiro, secretário-geral do MpD, destacou, entre outros, "a promoção do empresariado jovem e de uma nova cultura empresarial, a A reconversão profissional de jovens diplomados desempregados, através de formação em áreas com maior potencial de geração de emprego, o aumento de salário de 2,2% para o pessoal do quadro comum [da Administração Pública]" ou a descida do imposto sobre o rendimento das pessoas Colectivas de 25% para 22%.

"Por isso é que os cabo-verdianos acreditam que estarão em 2019 melhor que 2018, e por isso é que os cabo-verdianos não acreditam na oposição!", concluiu Miguel Monteiro.

"Não se pode falar de Orçamento do estado sem falar dos compromissos assumidos pelo MpD durante as campanhas eleitorais e retomadas no Programa de Governo.

Depois de dois dias de debate podemos dizer que esta proposta não resolve os problemas do país, não responde às aspirações dos cabo-verdianos".

Para a presidente do PAICV o governo e especialmente o Primeiro-ministro não foi, até agora, capaz de apresentar "uma única medida nova que resulte da sua perspectiva de desenvolvimento de Cabo Verde. Tudo herdado, tudo continuidade, tudo na linha da governação anterior com algumas nuances".

Já da parte do governo, o primeiro-ministro começou por responder ao ataque de Janira Hopffer Almada. “Não é a raiva que faz a razão”, disse.

Quanto ao Orçamento propriamente dito, Ulisses Correia e Silva optou por destacar que “este é o Orçamento do emprego, da empregabilidade e da juventude, é um OE que beneficia as famílias, ao nível dos rendimentos, da inclusão social, da educação e da saúde, é um orçamento que beneficia as empresas, que é sensível às vulnerabilidades e choques externos e exposição do país face às alterações climáticas”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,30 nov 2018 18:47

Editado porAndre Amaral  em  9 dez 2018 20:19

3

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.