"Regionalização não pode ser tratada como arma de arremesso político" - PAICV em São Vicente

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,18 abr 2019 17:36

Alcides Graça
Alcides Graça(Rádio Morabeza)

​O presidente da Comissão Política do PAICV em São Vicente alerta que a regionalização não pode ser tratada como arma de arremesso político. O responsável político sublinha que a culpa não pode estar apenas de um lado e pede tranquilidade e serenidade para a criação de consensos.

Alcides Graça falava hoje, em conferência de imprensa, numa reacção que surge depois do posicionamento do presidente da Câmara Municipal e da presidente da Comissão Política Concelhia do MpD, em São Vicente, que atribuíram ao PAICV a responsabilidade pelo cancelamento do processo de aprovação do diploma na especialidade.

“Todos os cabo-verdianos que não vivem na cidade da Praia sentem o efeito da centralização exagerada na capital do país, que cria assimetrias regionais e que é prejudicial para o país. O que é preciso é analisar com responsabilidade e seriedade política quais foram as razões para o projecto de lei não ter passado na Assembleia Nacional e não tentar tirar dividendos políticos desta situação que não ajuda em nada”, afirma.

O PAICV em São Vicente entende que a culpa pelo cancelamento da proposta de lei de criação das regiões administrativas é de todos os partidos que estiveram envolvidos no processo.

Alcides Graça defende que é preciso priorizar aquilo que é estratégico para o país.

“Acho que há um consenso geral de que o actual sistema de governação está esgotado, toda a gente tem essa noção e essa consciência que a centralização excessiva na capital do país já deu o que tinha a dar. Portanto, é preciso urgentemente avançar para um outro modelo de administração do país e a regionalização dá resposta a isso", comenta.

"[O processo da regionalização] foi mal conduzido, os consensos não foram conseguidos antes da lei ir para o parlamento, tudo isso são aspectos que devem ser melhorados. O PAICV é a favor da regionalização e tudo faremos para que avance”, assegura.

A proposta da regionalização foi aprovada na generalidade no dia 26 de Outubro. O processo de aprovação na especialidade da lei da regionalização não foi concluído na segunda sessão plenária de Março. Voltou, depois, a estar na agenda dos trabalhos, na primeira sessão de Abril, mas a iniciativa acabou cancelada pelo governo, por falta de consenso numa matéria que exigia dois terços. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,18 abr 2019 17:36

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 set 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.