"Crescimento da economia tem que se traduzir numa redução da pobreza" - UCID

PorLourdes Fortes, Rádio Morabeza,1 out 2019 15:12

1

António Monteiro
António Monteiro(Rádio Morabeza)

​A UCID alerta que as famílias cabo-verdianas não sentem os benefícios de crescimento do PIB. Posição manifestada hoje, pelo presidente do partido, em conferência de imprensa realizada em São Vicente.

O Instituto Nacional de Estatísticas anunciou, esta segunda-feira, um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 6,2% no segundo trimestre deste ano, face ao mesmo período de 2018.

Numa reacção a estes números, António Monteiro sublinha que o crescimento da economia tem de se traduzir numa redução da pobreza das famílias.

“Independentemente de qual seja o crescimento, o que importa é que as famílias sintam na pele o efeito desse crescimento e, infelizmente, temos que dizer que este crescimento ainda não chega às famílias, que continuam com dificuldades enormes”, afirma.

“O crescimento anunciado de 6,2% não estará a dar satisfação a essas pessoas. Provavelmente, precisamos de crescer realmente muito mais, para que o cidadão possa ter um bom trabalho e consiga assumir as responsabilidades mínimas que tem consigo e com a sociedade”, acrescenta.

O governo, através do ministro das Finanças, já se congratulou com os dados avançados pelo INE e “apontou que se não fossem os três anos consecutivos de seca, o crescimento da economia teria ultrapassado os 7%”.

António Monteiro recorda que o país já cresceu 10,2% anualmente e lembra que o governo ainda não atingiu a meta de crescimento anual de 7%.

“E o que temos de considerar é que o MpD, no seu programa de governo, prometeu um crescimento médio anual de 7%. O que quererá dizer que todos os anos, pelo menos, tem de ser de 7%. Mas nós estamos a ver qual é que tem sido o crescimento, que apesar de diferente para melhor ainda está muito aquém daquilo que prometeu o governo”.

Segundo o INE, no 2º trimestre de 2019 o PIB “registou uma variação homóloga de 6,2%, em termos reais, taxa superior em 1,0 pontos percentuais (p.p.) à verificada no 1º trimestre de 2019”.

Os números do Instituto Nacional de Estatística mostram que o crescimento do PIB, no segundo trimestre, "resultou do maior contributo das despesas do Consumo Privado e das Exportações".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Lourdes Fortes, Rádio Morabeza,1 out 2019 15:12

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 out 2019 11:20

1

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.