Seca não trava objectivo do Governo de chegar ao crescimento de 7%

PorExpresso das Ilhas, Lusa,1 out 2019 7:33

Olavo Correia
Olavo Correia

​O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, defendeu segunda-feira, na cidade da Praia, que o país tem condições para crescer, em termos económicos, a uma média anual superior a 7%, apesar da situação de seca prolongada.

O governante, que é também ministro das Finanças, reagia ao anuncio feito ontem pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), que apontou um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) cabo-verdiano de 6,2% no segundo trimestre deste ano, face ao mesmo período de 2018.

“Se hoje crescemos a 6,2%, num contexto de três anos consecutivos de seca, e que têm impactado negativamente a dinâmica de crescimento da nossa economia, num cenário ligeiramente melhor estaríamos certamente a falar de um crescimento superior a 7%”, afirmou Olavo Correia.

Aludindo à meta do Governo, de crescer a 7% ao ano, o vice-primeiro-ministro afirmou tratar-se de um cenário que ainda pode ser concretizado.

“O importante é continuarmos a acreditar que é possível. E o facto é que, mesmo neste cenário desfavorável, temos condições de colocar o nosso país a crescer a uma taxa superior a 7%”, sublinhou.

PIB cresce 6,2% no segundo trimestre

Números avançados, hoje, pelo Instituto Nacional de Estatística mostram que o crescimento do PIB no segundo trimestre "resultou do maior contributo das despesas do Consumo Privado e das Exportações". Segundo o INE, no 2º trimestre de 2019 o PIB "registou uma variação homóloga de 6,2%, em termos reais, taxa superior em 1,0 pontos percentuais (p.p.)

Para tal, explicou, é necessária “uma melhoria substancial ao nível do ambiente de negócios”, trabalho que garante estar a ser feito “todos os dias para que isso aconteça”.

“Teremos todas as condições para fazer muito melhor que 6%. Entretanto, será preciso muito trabalho. Se trabalharmos todos, todos os dias, lá chegaremos”, disse.

Segundo dados das Contas Nacionais Trimestrais do INE cabo-verdiano, divulgadas ontem, este crescimento de 6,2% é superior ao registado no primeiro trimestre do ano, que foi então de 5,2% em termos homólogos.

Estes números traduzem-se num crescimento económico médio nos dois primeiros trimestres de 5,7%, contra os 5% registados no ano de 2018, segundo os dados do INE.

As exportações de bens e serviços cresceram 8,5% no segundo trimestre, um aumento também face aos 8,0% do trimestre anterior, enquanto as importações caíram 4,0%, a primeira descida em vários trimestres.

De acordo com os indicadores do INE, o consumo privado aumentou 2,9%, em termos reais no segundo trimestre de 2019, ainda assim um abrandamento face à variação de 5,3% registada no trimestre anterior.

Já o consumo público apresentou uma taxa de variação homóloga negativa de 14,2%, quando tinha aumentado 20,8% no trimestre anterior, enquanto o investimento registou uma variação homóloga de 0,5% no segundo trimestre de 2019, contra a variação negativa em 11,4% nos três primeiros meses de 2019.

No final de Julho, em entrevista à agência Lusa, o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, afirmou que a perspectiva mais realista do Governo para este ano aponta para um crescimento económico de cerca de 6% do PIB.

Ainda assim longe da meta, assumida anteriormente, de 7%.

“O crescimento de 7% não é uma obsessão, é uma meta justificada porque precisamos de atingir esse valor de uma forma continuada para podermos duplicarmos, numa década, o rendimento ‘per capita’ dos cabo-verdianos”, disse Ulisses Correia e Silva.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,1 out 2019 7:33

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 dez 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.