“Morabeza, Festa do Livro” chega ao Fogo num ano marcado por novos lançamentos

PorSheilla Ribeiro,5 jan 2020 9:42

(Inforpress)
(Inforpress)Inforpress

Em 2019 a 3ª edição de “Morabeza, Festa do Livro” chegou pela primeira vez à ilha do Fogo, o ano fica também marcado por lançamentos de várias obras e realizações de eventos relacionados com a leitura e poesia, nomeadamente. É também de se citar homenagens e distinções.

Em Fevereiro, o livro de poemas “Rua Antes do Céu”, do poeta José Luiz Tavares, foi um dos finalistas ao Prémio Literário Casino da Póvoa, que foi decidido durante a 20ª edição das Correntes d’Escritas.

Ainda neste mês do ano, o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, lançou no teatro Almeida Garett, na Póvoa do Varzim (Portugal), o seu mais recente livro, “A Sedutora Tinta de Minhas Noutes”. Publicada pela Editora Rosa de Porcelana, a selecção esteve a cargo do poeta cabo-verdiano Arménio Vieira que escreveu o “prefácio”. A mesma obra foi apresentada na cidade da Praia no mês de Março.

Março

Em Março, por ocasião ao Dia Mundial da Poesia (21), a Sociedade Cabo-verdiana de Autores (SOCA) e a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago realizaram uma arruada poética e musical pelas ruas da Cidade Velha, sítio que é Património Mundial da Humanidade.

A cantora e educadora cabo-verdiana, Celina Pereira apresentou, em finais de Março, na cidade da Praia, o áudio-livro inclusivo “A Sereia Mánina e seus sapatos vermelhos”.

Abril

No mês de Abril, o Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, foi capa da 5ª edição da revista “Leitura”, “a “única” revista cultural que é publicada regularmente em Cabo Verde há dois anos.

Junho

A IX edição do Encontro de Escritores de Língua Portuguesa, aconteceu no mês de Junho na cidade da Praia e teve como tema principal a literatura infanto-juvenil. O evento foi organizado pela União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e pela Câmara Municipal da Praia (CMP). O intuito foi de contribuir para o diálogo e a aproximação entre os escritores de língua portuguesa, dos diferentes continentes.

Além do mais, realizou-se um encontro entre Arménio Vieira e Germano Almeida, escritores cabo-verdianos vencedores do Prémio Camões, em 2009 e 2018, respectivamente, e alunos do 11.º ano de escolaridade das escolas do município da Praia, na Biblioteca Nacional de Cabo Verde. Germano Almeida foi o homenageado da IX edição do Encontro de Escritores de Língua Portuguesa.

Pelo terceiro ano consecutivo, a ilha do Sal acolheu a II Edição do Festival Literatura Mundo. O evento decorreu entre 27 e 30 de Junho. A edição deste ano homenageou os escritores Orlanda Amarílis (Cabo Verde) e Johann Wolfgang von Goethe (Alemanha). O festival foi centro em quatro conferências, sete mesas de diálogos temáticos, feira de livros, sessões de leituras poéticas e de leituras autorais diversas e encontros com estudantes da ilha.

Outubro

A 3ª edição da “Morabeza, Festa do Livro” regressou à cidade da Praia e chegou, pela primeira vez, à ilha do Fogo, entre os dias 25 de Outubro e 3 de Novembro. O evento, promovido pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas (MCIC), contou, este ano, com a presença de José Ramos-Horta, ex-presidente da República de Timor-Leste e Nobel da Paz em 1996.

Em Outubro, o falecido médico, escritor e ensaísta, Teixeira de Sousa, foi homenageado pela Academia Cabo-verdiana de Letras (ACL). Em declarações à imprensa, o presidente da ACL, David Hopffer Almada, disse que ao ler as obras de Teixeira de Sousa pode-se tirar duas lições, saber como é a “nossa gente” e saber que há gente capaz de transpor esse conhecimento para um livro e para a memória futura.

Resultante de uma conversa de vários meses e longas horas, o livro “Ulisses, Governar Diferente” do jornalista e escritor António Monteiro foi lançado a 31 de Outubro, dando a conhecer o percurso do homem falando da sua infância, juventude e vida universitária em Portugal, com pormenores que eram desconhecidos do público.

Depois de Portugal, foi a vez da cidade da Praia conhecer, em Dezembro, o mais recente romance do cantor, compositor e escritor Mário Lúcio Sousa, intitulado “O Diabo Foi Meu Padeiro”, um romance que traz a memória histórica do campo de concentração do Tarrafal, agora Museu da Resistência. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 944 de 01 de Janeiro de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,5 jan 2020 9:42

Editado pormaria Fortes  em  23 fev 2020 23:21

pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.