Comunicado da Comissão Política do PAICV criticado por Júlio Correia e Felisberto Vieira

PorAndre Amaral,2 nov 2018 10:40

Comunicado da Comissão Política do PAICV é “obtuso simplesmente”, diz Júlio Correia. Já para Felisberto Vieira esta não foi a primeira vez que deputados daquele partido votaram em sentidos opostos e que “criminalizar a consciência, a expressão e o voto é perverso e antidemocrático”.

Em textos separados, publicados no Facebook, os dois deputados reagiram ao comunicado da Comissão Política do PAICV sobre a divisão de votos na bancada do partido aquando da votação da proposta do governo sobre a regionalização.

“Este comunicado, da comissão política, foge em toda a linha ao compromisso com a verdade. Obtuso simplesmente”, começa por dizer Júlio Correia que acusa ainda a Comissão Política do PAICV, através do comunicado, de fazer “um esforço enorme de perseguição aos deputados do PAICV que votaram a favor do diploma, faltando gritantemente com a verdade quando induz ter havido a construção da vontade do Grupo Parlamentar pela abstenção em relação ao sentido do voto”.

Júlio Correia diz ainda que estão a ser usados dois pesos e duas medidas sendo, o comunicado, “sendo intolerante com uns e tolerante com outros”. Tudo porque, acusa o deputado do PAICV, apenas os votos de Filomena Martins e Odailson Bandeira estão a ser condenados pela Comissão Política, o mesmo não acontecendo com o voto de José Maria Gomes da Veiga ou com a recusa de alguns deputados que abandonaram a sala, recusando-se, assim, a votar a proposta do governo.

“O que leva a Comissão Política a só deplorar os votos em consciência dos deputados Odailson Bandeira e Filomena Vieira? Porque a comissão política ficou incomodada com os que optaram por não comparecer? O que leva esta instância de representação partidária a silenciar do voto em consciência do deputado José Maria Gomes da Veiga júnior, que aqui referencio com estima e consideração?”, questiona.

“Temos de conversar claramente com os militantes para a saúde democrática do PAICV. É urgente e antes que entremos, por clara irresponsabilidade do dirigismo e do arrivismo, a um ponto de não retorno”, conclui Júlio Correia.

Também Felisberto Vieira se pronunciou sobre a situação vivida actualmente no seio do PAICV.

Recordando a sua “longa experiência como parlamentar”, Felisberto Vieira garante que ao longo dos anos que tem estado presente no parlamento, “sempre na bancada do PAICV”, como diz, nunca deixou “de votar em consciência” e assegura que os deputados “que votaram a favor, contra ou abstiveram fizeram-no em consciência. Mesmo aqueles que não quiseram legitimar esse acto eleitoral fizeram-no também em consciência”.

No seu texto, Felisberto Vieira recorda um episódio recente. “Recentemente, na votação do Regimento (após um aturado trabalho na Comissão de Reforma e no Grupo Parlamentar), um Deputado-membro da Comissão Politica Nacional, votou contra. Houve algum comunicado? Alguma reacção interna e externa da actual liderança?” “Simplesmente silêncio cúmplice”, acusa.

Quanto à votação da proposta do governo sobre a regionalização, Felisberto Vieira diz que “estranhou-se que a Direcção do PAICV não tenha solicitado o agendamento e, por conseguinte, levado a sua proposta para discussão e para o diálogo político, dando espaço de escolha e de opção por modelos e propostos, eventualmente consensualizáveis. Mas porquê ou porque será?”

“Criminalizar a consciência, a expressão e o voto é perverso e antidemocrático. Eu não o subscreverei em nenhuma circunstância. Nem quando, em 1991, um dos nossos deputados, na circunstância, Dr. David H. Almada, deixou a nossa Bancada para estar em coerência e em paz com a sua consciência. Sem consciência, nem liberdade, estaremos a desvirtuar os princípios e os valores do PAICV a que pertenço e fazem parte do meu combate por Cabo Verde”, conclui.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,2 nov 2018 10:40

Editado porAndre Amaral  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.