MpD espera que PAICV dê prioridade aos "interesses do país"

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,9 abr 2019 15:36

Não há consenso com a bancada do PAICV, mas o MpD quer que a regionalização seja aprovada. Para isso, João Gomes, vice-líder da bancada do MpD, apelou para que os deputados do PAICV "coloquem os interesses do país" à frente de questões políticas.

A regionalização vai voltar esta quinta-feira à Assembleia Nacional para conclusão da votação na especialidade e consequente aprovação da lei.

Essa é a expectativa da bancada do MpD que, pela voz de João Gomes, apontou que "na semana passada fizemos uma reunião da comissão paritária, em São Vicente. A reunião correu bem e a UCID apresentou as suas propostas de melhoria ao texto e há um entendimento" entre aquele partido e o MpD.

No entanto, e como já é sabido, para que a lei seja aprovada é precisa, sempre, uma votação favorável, por uma maioria de dois terços, de cada um dos artigos e o representante do PAICV na comissão paritária, segundo João Gomes, terá afirmado que "a posição do PAICV foi clarificada no início da sessão anterior e que à partida irão manter a posição".

Ora, tendo em conta esta posição assumida pelo PAICV, o deputado do partido que sustenta o governo apela "ao grupo parlamentar do PAICV para viabilizar o documento, porque é uma lei que exige uma maioria de dois terços e só será aprovada com a intervenção dos deputados do PAICV. Fazemos esse apelo porque estamos convictos que a aprovação desse diploma é um ganho enorme para Cabo Verde".

PAICV chama Eunice Silva

Na quarta-feira, primeiro dia da sessão parlamentar, o debate foi marcado pelo PAICV que quer ouvir a ministra das Infraestruturas, Eunice Silva.

O debate com ministra das Infraestruturas é uma oportunidade para passar em revista “as necessidades e as lacunas” que ainda o país enfrenta neste domínio, apontou hoje, Rui Semedo, líder da bancada parlamentar do PAICV.

Citado pela Inforpress, o líder da bancada do PAICV entende o momento como uma oportunidade para se aferir da política ou da bondade dela, da infraestruturação existente, passar em revista as necessidades e as lacunas que “ainda o país enfrenta” neste domínio.

Neste aspecto, Rui Semedo destacou a “realidade de um país insular” e a necessidade de multiplicação de infraestruturas para que as ilhas estejam em condições de abraçar o desenvolvimento.

“Um país que tem ambição e está inserido num mundo global e que tem que preparar-se para devidamente enfrenta a competitividade e a concorrência e ainda necessidade de unir os mercados, de garantir a circulação de pessoas e bens e consolidar a integridade territorial”, acrescentou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,9 abr 2019 15:36

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 dez 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.