​Tribunais continuam em regime de férias judiciais

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,30 mai 2020 8:33

Os Tribunais vão continuar em regime de férias judiciais, mesmo com a saída de estado de emergência em todas às Ilhas, situação criada pelos votos de abstenção da oposição, que viabilizaram a alteração da lei medidas de excepcionais.

A informação foi avançada ontem pela ministra da Justiça, Janine Lélis, depois da votação da proposta do PAICV sobre a retroactividade do lay-off a partir de 01 de Abril e da proposta inicial do Governo sobre esta matéria, que exigia maioria qualificada.

Ambas as propostas, apresentadas durante o debate na especialidade da proposta de lei que procede alteração à lei nº83/IX/2020, de 4 de Abril, que estabelece medidas excepcionais e temporárias de resposta a situação epidemiológica provocada pelo coronavírus sars-cov-2 da doença covid-19, foram rejeitadas.

Para a ministra da Justiça, essa abstenção foi um “chumbo” ao funcionamento do sistema judicial, o que significa um chumbo à manutenção e suspensão dos prazos de prescrição e dos prazos de caducidade.

“Nós consensualizamos em relação à queda dos artigos do poder local, consensualizamos em relação à entrada em vigor, em relação à protecção dos arrendatários, não consensualizamos em relação ao lay-off e, por causa disso, os tribunais a partir de segunda-feira, mesmo depois do fim do estado de emergência, vão continuar a funcionar em regime de férias judiciais”, criticou.

Janine Lélis pediu ao PAICV que assuma a responsabilidade porque, o partido “tinha capacidade e iniciativa” de fazer alteração à lei, “sem prejudicar aquilo que é fundamental e essencial para o funcionamento do estado de direito”, que é a questão do funcionando dos tribunais de justiça.

Para o líder da bancada do PAICV, Rui Semedo, as propostas feitas pelo PAICV são “bem ponderadas” e servem de interesse dos cabo-verdianos.

“Não se pode vir aqui rejeitar totalmente as propostas dos outros e pedir à oposição para votar a todas as propostas da maioria, não se pode. Esta lei, neste debate negou-se o direito e eu diria até o dever de proposta da oposição”, criticou.

Para o deputado, mesmo que as ideias do PAICV não sejam as melhores, o parlamento era a sede própria para que conjuntamente com a maioria se procedesse ao melhoramento das propostas, tendo em vista uma “melhor legislação”.

Já para a líder da bancada do MpD, Joana Rosa, numa altura em que o país precisava de união entre os deputados, o PAICV aparece com “duas faces” e dando “às vezes dão para direita, às vezes para a esquerda”.

“Hoje trouxemos ao parlamento uma lei importantíssima, porque temos os tribunais à espera desta lei. Vamos é bloquear os tribunais por causa dos prazos processuais, vamos é criar caos nos tribunais porque não é o interesse do PAICV”, disse, criticando que o interesse da oposição é de apenas “proteger determinadas empresas e determinadas pessoas” que não foram contempladas com o Lay Off.

Por sua vez, o líder da bancada da UCID, António Monteiro, explicou que a sua bancada votou abstenção porque o Governo “não levou em linha de conta” os contributos que os democratas cristãos apresentaram para a melhoria desta lei.

Na votação final global, os deputados aprovaram, por unanimidade a proposta de Lei que estabelece as bases do regime jurídico da criação, organização, desenvolvimento e funcionamento das Zonas Económicas Especiais e a proposta de Lei que institui a Zona Económica Especial Marítima em São Vicente e estabelece o regime especial da sua organização, desenvolvimento e funcionamento.

Ainda foi aprovada a proposta de Lei que estabelece as normas e os princípios pelos quais se rege a Central de Registo de Crédito, assegurada pelo Banco de Cabo Verde.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,30 mai 2020 8:33

Editado porFretson Rocha  em  10 mar 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.